Connect with us

Alimentação e Nutrição

Alimente o seu Cérebro

Published

on

Assim como a alimentação correta pode prevenir doenças cardíacas, pressão alta ou câncer, especialistas em saúde descobrem que determinados alimentos podem impulsionar o funcionamento do cérebro.
Embora não exista tratamento atual comprovado para curar a doença de Alzheimer ou a demência, existem alimentos que desempenham um papel positivo na saúde mental em geral.
A Associação do Alzheimer indica a “uma dieta saudável do cérebro“, com alimentos que “reduzem os riscos de doenças cardíacas e diabete, estimula o fluxo sanguíneo ideal para o cérebro, de baixo teor de gordura e colesterol.”?

Confira dez alimentos que têm essa função no organismo:

AMORA
Não importa se é uma nova dança ou uma língua estrangeira, quanto mais os anos passam, mais complicado é aprender coisas novas. Isso acontece porque a medida que envelhecemos as células ficam mais inflamadas, tornando mais difícil a comunicação necessária para processar novas informações.
As amoras podem fazer essa comunicação fluir novamente. Elas oferecem potentes antioxidantes, conhecidos como polifenóis que melhoram a inflamação nas células e incentivam a comunicação entre os neurônios, melhorando a nossa capacidade de absorver novas informações.

CAFÉ
Se você está tentando largar o vício, pode querer reconsiderar. Uma recente pesquisa com 1.400 consumidores antigos de café, revela que a pessoa que bebe entre três e cinco xícaras por dia, por cerca de 50 anos, reduz suas chances de desenvolver a doença de Alzheimer em 65%, comparado com aquele que toma menos de duas xícaras por dia.
Os pesquisadores acreditam que a cafeína é um amplo antioxidante, chave para a proteção contra a doença.

MAÇÃ
Aqui está uma nova razão para detonar uma maçã por dia: elas são fonte principal de quercetina, um produto químico de plantas antioxidantes, que mantêm os sumos do cérebro fluindo normalmente.
De acordo com pesquisadores da Universidade Cornell, quercetina defende as células do cérebro de atentados dos radicais livres que podem danificar o revestimento exterior dos neurônios e, eventualmente, levar ao declínio cognitivo. Para absorver uma quantidade maior de quercetina coma a maçã com casca, que é onde fica a maior concentração do antioxidante.

CHOCOLATE
Você já ouviu a boa notícia de que o chocolate pode reduzir sua pressão arterial. Agora os pesquisadores já descobriram que ele também pode manter a mente afiada.
Um estudo, publicado em 2009 pelo Journal of Nutrition, mostrou que comer um pouco de chocolate por dia ajuda contra a perda de memória relacionada à idade. Os polifenóis do cacau aumentam o fluxo sanguíneo que vai para o cérebro.

CANELA
Placas beta-amiloides são uma das marcas da doença de Alzheimer. O outro é o tangles no cérebro feito de proteínas tau, que podem causar a morte de células cerebrais.
Pesquisas recentes da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, revela que dois compostos da canela – proantocianidinas e cinamaldeído – podem inativar as tais proteínas tau.
Embora esta pesquisa ainda esteja no começo, não custa nada polvilhar canela na aveia ou no iogurte, certo?

ESPINAFRE
Este verde é recheado de nutrientes que impedem a demência, como folato, vitamina E e vitamina K.
Apenas meia xícara de espinafre cozido oferece um terço do folato e cinco vezes a quantidade de vitamina K que você precisa em um dia. Talvez seja por isso que um estudo de 2006 da Academia Americana de Neurologia revela que comer três porções de folhas verdes, vegetais amarelos e crucíferos por dia pode retardar o declínio cognitivo em 40%. Desses três, o espinafre é o protetor mais indicado.

AZEITE EXTRA VIRGEM
O Alzheimer faz com que as proteínas tóxicas para o cérebro cheguem mais rapidamente onde não devem. Nos estágios iniciais da doença, as células tornam-se incapazes de se comunicar uma com as outras, o que eventualmente, leva à perda de memória.
Azeite extra-virgem pode ser um inimigo potente contra esse problema. Ele é rico em oleocanthal, um composto que desativa essa função errada das células.

SALMÃO
Este peixe não é só bom para o seu relógio biológico, mas também é bom para a sua massa cinzenta. Salmão é uma fonte de DHA – a gordura que contém ômega-3 – e acredita-se que essa substância protege contra a doença de Alzheimer. O salmão também é uma fonte de vitamina D, nutriente que protege contra o declínio cognitivo.

CURRY/CÚRCUMA
A cúrcuma, um primo do gengibre, é uma das principais especiarias em pó de caril. Cúrcuma é especialmente rico em curcumina, um composto que, acredita-se, inibi a doença de Alzheimer em várias formas, de acordo com especialistas da Universidade da Califórnia. Esse tempero não só bloqueia a formação de placas de beta amiloide, mas também combate a inflamação das células e reduz o colesterol das artérias.

UVA
Pesquisadores acreditam que – tal como amoras – a uva contém polifenóis, melhorando a comunicação entre uma célula e outra.
Uma outra lista de elementos funcionais para o nosso Cérebro:

Ômega-3
Fontes: Peixes (sobretudo salmão), krill, sementes de linhaça, kiwi, sálvia, nozes, noz-branca americana.
Função: Manutenção das funções sinápticas e plasticidade em roedores. É componente estrutural das membranas celulares e da mielina.
Deficiência: Em roedores, causa problemas de memória e aprendizado. Em humanos, a deficiência em ômega-3 parece estar associada a um aumento do risco de vários distúrbios mentais, incluindo distúrbio de déficit de atenção, dislexia, demência, depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia.
Suplementação: Eleva níveis de BDNF no hipocampo e melhora funções cognitivas em roedores com trauma encefálico. Alguns estudos mostraram que a suplementação com ômega-3 está associada a uma redução de déficits cognitivos (em leitura, em soletração, etc) em crianças afetadas por distúrbio de desenvolvimento de coordenação.

Curcumina
Fontes: Açafrão da terra, Cúrcuma ou Turmérico (curry).
Atuação: Tem efeitos inibitórios sobre enzimas metabólicas.A curcumina contém uma mistura de antioxidantes fitonutrientes fortes, conhecidos como os curcuminóides, que tem sido descritos como tendo propriedades anti inflamatórias.
Suplementação: Diminuição de déficit cognitivo em modelos animais de Doença de Alzheimer e em roedores com trauma encefálico.

Flavonoides
Fontes: Cacau, chá verde, ginseng, frutas cítricas, vinho (especialmente tinto), chocolate amargo.
Função: Anti-oxidantes, com um papel fundamental na proteção contra agentes oxidantes.
Suplementação: Aumento cognitivo em combinação com exercícios, em roedores. Melhora das funções cognitivas em idosos.

Gorduras Saturadas
Fontes: Manteiga, ghee, sebo, toucinho, óleo de coco, óleo de semente de algodão, laticínios, carne, óleo de semente de palmeira.
Função: As gorduras de origem vegetal e animal propiciam uma fonte concentrada de energia. Elas também fornecem os lipídios formadores das membranas das células, além de uma variedade de hormônios e substâncias assemelhadas, e auxiliam na absorção das vitaminas A, D, E, e K. As gorduras da dieta alimentar são necessárias para converter caroteno em vitamina A, para absorção de minerais e para uma gama de outros processos.
Porém, as gorduras saturadas são as principais responsáveis pela aterosclerose. Elevam o nível de produção de LDL, o que gera placas de ateroma e aumenta as chances de acontecer ataque cardíaco e derrame cerebral.
Suplementação: Associada ao déficit cognitivo em roedores adultos. Danos cognitivos agravados após trauma encefálico, em roedores. Exacerbação do déficit cognitivo em idosos.
Efeitos colaterais da suplementação: Dietas ricas em gorduras saturadas aumentam o risco de disfunções neurológicas tanto em humanos como em animais, além de diminuir a plasticidade sináptica no hipocampo.

Vitaminas do complexo B
Fontes: Várias fontes naturais. Vitamina B12 não está disponível em produtos derivados de plantas.
Função: O complexo B é um conjunto de oito vitaminas hidrossolúveis com importante ação no metabolismo celular.
Deficiência: Folato: pode levar a distúrbios neurológicos como depressão e danos cognitivos.
Suplementação: Folato: por si só, ou juntamente com outras vitaminas do complexo B, é eficaz na prevenção de déficit cognitivo e demência durante o envelhecimento, além de potencializar os efeitos dos antidepressivos. Vitamina B12 melhora danos cognitivos em ratos alimentados com dieta deficiente em colina. Suplementação com vitamina B6, B12 ou folato tem efeitos positivos na memória em mulheres de várias idades.
Efeitos colaterais da suplementação: Folato: anemia, baixa função imunológica e câncer.

Vitamina D
Fontes: Fígado de peixe, peixes gordurosos, cogumelos, produtos fortificados, leite, leite de soja, cereais em grãos.
Funções: É uma vitamina lipossolúvel obtida a partir do colesterol (seu precursor metabólico) através da luz do sol, e de fontes dietéticas. Funcionalmente, a vitamina D atua como um hormônio que mantém as concentrações de cálcio e fósforo no sangue através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado.
Deficiência: A carência de vitamina D provoca, nas crianças, o raquitismo e nos adultos a osteomalácia (amolecimento dos ossos). Nos idosos leva à osteoporose.
Suplementação: Importante na preservação da cognição em idosos.
Efeitos colaterais da suplementação: O consumo de altas doses (10 vezes o valor diário recomendado) por vários meses pode causar toxicidade, resultando em nível alto de cálcio no sangue. Pode ocorrer depósito de cálcio pelo organismo, principalmente no rim.

Vitamina E
Fontes: Aspargos, abacate, nozes, amendoim, azeitonas, óleo de palmeira laca vermelha, sementes, espinafre, óleos vegetais e gérmem de trigo.
Função: Protege a integridade celular e prolonga-lhes a vida. A sua ação antioxidante neutraliza os efeitos nocivos dos radicais livres provenientes da contaminação química e atividade do organismo, e potencializa fortemente a ação de outros antioxidantes, como a vitamina C e vitamina A.
Deficiência: É geralmente caracterizada por problemas neurológicos devido à condução nervosa prejudicada.
Suplementação: Diminuição dos danos cognitivos após trauma encefálico em roedores. Reduz o declínio cognitivo em idosos. Existem evidências discretas de que altas doses de Vitamina E associadas ao Ginko biloba tornariam a progressão da Doença de Alzheimer mais lenta.
Efeitos colaterais da suplementação: Pesquisas realizadas revelaram que há um aumento significativo de acidentes vasculares cerebrais em fumantes que recebem altas doses de Vitamina A e E.

Colina
Fontes: Gema de ovos, carne de soja, frango, vitela, fígado de peru, alface.
Função: Trata-se de uma amina natural encontrada nos lipídios presentes na membrana celular e no neurotransmissor acetilcolina. É de grande importância durante a gravidez para a formação do tecido cerebral.
Deficiência: Provoca acúmulo de gorduras no fígado, cirrose, aumento na incidência de câncer de fígado, lesões hemorrágicas dos rins e falta de coordenação motora.
Suplementação: Redução dos danos de memória induzidos por epilepsia, em roedores. Uma revisão da literatura revela evidências de uma casual relação entre colina na dieta e cognição em humanos e ratos.

Combinação de vitaminas
Fontes: Vitamina C: frutas cítricas, várias plantas e vegetais, fígado de boi e bezerro. Vitamina E: veja acima.
Função: As vitaminas são moléculas orgânicas (contendo carbono) que funcionam principalmente como catalisadores para reações enzimáticas dentro do organismo.
Deficiência: A manifestação principal da carência de ácido fólico é a alta incidência de crianças com malformações congênitas do sistema nervoso nascidas de mães que foram carentes em ácido fólico no início da gravidez. A carência de ácido fólico, junto com a carência de vitamina B12, pode levar as pessoas a sentirem vertigens, cansaço, perda de memória, alucinações e fraqueza muscular. Efeitos da carência de vitamina A no Sistema Nervoso: alterações do olfato, do paladar e da audição podem ocorrer. Lesões de nervos e aumento na produção de líquor com conseqüente hidrocefalia têm sido relatados.
Suplementação: Ingestão de vitaminas antioxidantes atrasa o declínio cognitivo em idosos.

Cálcio, Zinco, Selênio
Fontes: Cálcio: leite, coral. Zinco: ostras, algumas variedades de feijão, nozes, amêndoas, grãos inteiros, sementes de girassol. Selênio: nozes (castanha do Pará especialmente), cereais, carne, peixe, ovos.
Função: Cálcio: possui funções importantes como atuar na formação estrutural dos ossos e dos dentes. Além disso, ele atua juntamente com a vitamina K no sistema circulatório, auxiliando na coagulação do sangue. Age na sinalização intracelular, na transmissão sináptica, na contração muscular e cardíaca, na ação de hormônios. Zinco: Participa na divisão celular, na expressão gênica, em processos fisiológicos como crescimento e desenvolvimento, na morte celular; age como estabilizador de estruturas de membranas e componentes celulares, além de participar da função imune e desenvolvimento cognitivo. Atuando com a vitamina E ele protege as células do organismo contra danos oxidativos, especialmente retardando a oxidação do colesterol LDL; apresenta ação inibidora do efeito tóxico de metais pesados As, Cd, Hg e Sn. No caso de doenças crônicas como a arteriosclerose, câncer, artrite, cirrose e enfisema, há fortes indícios de que ele atue como elemento protetor. O selênio retarda o envelhecimento, combate a tensão pré-menstrual, preserva a elasticidade dos tecidos, previne o câncer e neutraliza radicais livres.

Deficiência: Estudos indicam que pessoas que tem carência do mineral Selênio têm tendência a ter sintomas depressivos, como ansiedade, nervosismo e confusão mental. Um baixo nível de selênio ao longo da vida está associado com baixa função cognitiva em humanos. Na deficiência leve de zinco podem ocorrer alterações neurossensoriais. A deficiência moderada de zinco é agravada pelo desenvolvimento de letargia mental e diminuição acentuada do apetite. Redução de zinco na dieta pode ajudar a reduzir déficit cognitivo em idosos.
Efeitos colaterais da suplementação: Altos níveis de cálcio sérico estão associados com rápido déficit cognitivo em idosos. O excesso de cálcio também pode causar cãimbras. O excesso de selênio é tóxico e pode levar à morte. O excesso de zinco no corpo, como de outros metais pesados, causa distúrbios neurológicos.

Cobre
Fontes: Ostras, fígado de boi e carneiro, castanha-do-pará, melaço, cacau, pimenta preta.
Função: Parceiro do zinco, ele também compõem a enzima que combate os radicais livres, além de transportar o ferro.
Deficiência: Déficit cognitivo em pacientes com Doença de Alzheimer está correlacionado com baixa concentração de cobre no plasma.
Suplementação: Estudos realizados com pacientes de Doença da Alzheimer, que foram tratados ou com suplementação de cobre ou com placebo, foram submetidos a diversos testes de memória durante um ano. Ao final desse período, os indivíduos com menor taxa de cobre no sangue apresentavam mais falhas. Experiências com ratos mostratam que uma concentração elevada do mineral ajuda a reduzir placas presentes no cérebro que são relacionadas com a doença. Não há comprovação de que de o cobre ajuda a reverter os danos causados pela doença, mas sabe-se que ele influi na funções cognitivas.
Efeitos colaterais da suplementação: a suplementação com cobre é problemática devido a seu grande potencial como gerador de radicais livres, e por sua relação direta com esquizofrenia e distúrbios psiquiátricos. Só um mineralograma pode justificar a sua administração quando se detecta severa deficiência. A suplementação excessiva de cobre pode baixar o nível de zinco e produzir insônia, perda de cabelos, menstruação irregular e depressão. O excesso de cobre no organismo, como o excesso de qualquer outro metal pesado, é tóxico e causa distúrbios neurológicos.

Ferro
Fontes: Carne vermelha, peixe, aves, lentilha, feijão.
Função: O ferro participa da síntese de proteínas, do transporte de oxigênio e da renovação celular.
Deficiência: Deficiência de ferro pode causar anemia, com sonolência e cansaço persistentes. Em grávidas a deficiência pode causar hemorragias e baixo peso do bebê ao nascer, entre outros efeitos.
Suplementação: Tratamento com ferro normaliza funções cognitivas em mulheres jovens.
Efeitos colaterais da suplementação: O excesso de ferro pode ser letal a pessoas portadoras de hemocromatose, cujo corpo tem dificuldade de regular a absorção de ferro e portanto não consegue eliminar o ferro ingerido em excesso.

Calorias
Fontes: Grandes quantidades em “junk food”.
Função: Calorias não são nutrientes, e sim uma medida da energia que esses fornecem para o metabolismo humano.
Deficiência: A restrição calórica eleva os níveis de BDNF. E também leva a diminuição de déficits motores e cognitivos que são associados ao envelhecimento.
Suplementação: A suplementação calórica gera desregulação hipotalâmica, levando a pessoa a continuar comer mais do que necessita, causando obesidade. O excesso de comida pode provocar um estímulo das células do sistema imunológico a atacar invasores inexistentes e com isso provocar inflamações crônicas no organismo.
Efeitos colaterais da suplementação: Além da obesidade e dos riscos associados a ela, o excesso de calorias pode reduzir a plasticidade sináptica e aumentar a vulnerabilidade das células a se danificarem pela formação de radicais livres.

Ácido Alfa-lipóico
Fontes: Carnes como fígado, rins e coração, e vegetais como espinafre, brócolis e batata.
Função: Atua como co-fator de inúmeras enzimas envolvidas na produção de energia, possui propriedades antioxidantes, combatendo os radicais livres e protegendo as células da oxidação. Além de combater os radicais livres, ele regenera os tecidos lesados.
Suplementação: Aumenta o fluxo sanguíneo para os nervos e melhora a condução dos impulsos nervosos. Melhora déficits de memória em modelos animais de Doença de Alzheimer e mostrou reduzir déficits cognitivos em pequenos grupos de pacientes com Doença de Alzheimer. É utilizada no tratamento de lesões neurológicas, inclusive a neuropatia diabética, uma complicação tardia do diabete que provoca dor e perda da sensibilidade nos membros.

Já quase todos sabemos o impacto dos desequilíbrios nutricionais na nossa saúde, mais especificamente a importância do ômega-3, mas segundo alguns estudos recentes a nutrição tem também impacto sobre a nossa saúde e capacidade do cérebro.
Segundo um estudo recente do Dr. Fernando Gómez-Pinilla, professor de neurocirurgia e ciências fisiológicas da Universidade da Califórnia (UCLA), que passou os últimos anos a estudar os efeitos da alimentação, exercício físico e sono sobre o cérebro.
“A dieta, exercício físico e sono têm o potencial de alterar as funções do nosso cérebro e a saúde mental. Isto levanta a possibilidade de que mudanças radicais na dieta pode ser uma estratégia viável para melhorar a capacidade cognitiva, proteger o cérebro de danos e contrariar os efeitos do envelhecimento” – Dr. Fernando Gómez-Pinilla, membro da UCLA Brain Research Institute and Brain Injury Research Center.

O Dr. Gómez analisou mais de 160 estudos sobre a o impacto que a alimentação tem sobre o cérebro e os resultados da sua análise pode ser lida no jornal Nature Reviews Neuroscience.
Uma das conclusões refere a importância dos ácidos gordos (ácidos graxos) ômega-3 encontrados no salmão, nozes e kiwi. O ômega-3 contribui com alguns benefícios para o nosso cérebro, incluindo melhorias de aprendizagem, uma melhor memória, ajuda a combater alguns transtornos mentais como a depressão, transtornos de humor, esquizofrenia, e demência.
Segundo o Dr. Gómez as sinapses no cérebro ligam os neurônios e proporcionam algumas funções essenciais, a aprendizagem e a memória ocorre a nível das sinapses. Os ácidos gordos ômega-3 apoiam a plasticidade sináptica que parece afetar positivamente a função de algumas moléculas relacionadas com a aprendizagem e com a memória.

“Os ácidos gordos ómega-3 são essenciais para um normal funcionamento do cérebro” – Dr. Fernando Gómez-Pinilla
Uma deficiência nutricional em ômega-3 nos humanos tem vindo a ser associado a um aumento do risco de algumas desordens mentais, tal como deficit de atenção, dislexia, demência, depressão, doença bipolar e esquizofrenia.

Segundo alguns estudos as crianças que ingerem uma dose adequada de ácidos gordos ômega-3 têm melhores resultados na escola, na leitura, na ortografia e têm menos problemas comportamentais.
Além do ômega-3 também o ácido fólico que é encontrado nos espinafres, sumo da laranja e levedura é também essencial para o funcionamento do cérebro humano. Uma deficiência em ácido fólico pode originar distúrbios neurológicos, tais como a depressão e disfunções cognitivas. A suplementação de ácido fólico, quer por si só ou em conjunto com outras vitaminas do tipo B, tem-se revelado eficaz na prevenção do declínio cognitivo e demência durante o envelhecimento e reforça os efeitos de antidepressivos.

Os resultados de um estudo recente indicam que a suplementação de ácido fólico num período de três anos pode ajudar a reduzir os efeitos da idade nas funções cognitivas.
Em contraste com os benefícios de uma nutrição equilibrada, a comida rápida ou comida de plástico têm efeitos negativos nas funções sinápticas do cérebro. Algumas moléculas e a função sináptica do cérebro são extremamente afetadas por uma dieta pouco saudável.
Na ilha de Okinawa (Japão) onde as pessoas comem peixe e praticam exercício físico com bastante frequência a esperança de vida é a maior em todo o mundo e a população tem também uma baixíssima taxa de distúrbios mentais.
“Embora algumas pessoas tenham tido a sorte de ter nascido com genes especiais, a grande maioria de nós não tem essa sorte, portanto precisamos de uma dieta equilibrada, praticar exercício físico com regularidade e de uma boa noite de sono” – Dr. Fernando Gómez-Pinilla

Fonte: anabolismo.org

Comments

comments

Alimentação e Nutrição

Afinal, tapioca engorda ou emagrece?

Published

on

By

A resposta para saber se a tapioca engorda ou emagrece é relativa, já que vai depender principalmente do modo de preparo e recheio da tapioca

tapioca virou mania entre milhares de brasileiras. Afinal de contas, é dito por ai que ela ajuda no emagrecimento. Mas será que a tapioca engorda ou é uma aliada para a perda de peso?  “A forma de preparo da massa e o recheio utilizado serão as peças-chaves para que ela seja aliada ou vilã do emagrecimento”, aponta Thais Souza, nutricionista do Mundo Verde.

A tapioca é feita com a fécula da mandioca, que é aquecida na frigideira e forma uma massa que pode ser recheada. “O principal macronutriente presente nesse alimento é o carboidrato, que após ser digerido, gera glicose, ou seja, se o consumo não for dosado, ela pode favorecer o ganho de peso”, alerta a nutricionista.

Tapioca engorda?

Como a goma possui alto índice glicêmico, que é a velocidade com que a glicose entra no organismo, este fator também pode ser responsável pelo ganho de peso. “O uso de recheios calóricos também aumentará esse risco. Principalmente quando algumas opções utilizadas são: leite condensado, doce de leite e geleias com açúcar”, afirma Thais.

Mas, mesmo assim, é possível emagrecer comendo tapioca. O ponto de partida é reduzir o índice glicêmico do alimento. “A maneira para isso é adicionar à goma, antes do preparo, algum alimento fonte de fibra, como semente de chia, de linhaça, farinha de banana verde, entre outros”, ensina Raisa Barragam, nutricionista clínica e infantil da Dieta Vitória, em Santos.

Outra boa ideia é preparar uma crepioca. “Basta incluir ovo à goma e fazer como uma panqueca”, conta Daniela Lasman, nutricionista da academia Bodytech, em São Paulo. Ao incluir boas fontes proteicas no preparo ou recheio da tapioca, é possível diminuir o índice glicêmico da preparação.

De olho no complemento

Como dito anteriormente, o que for colocado como recheio também pode contribuir para a tapioca engordar. Então, o ideal é recheá-la com ovos mexidos, banana com canela, geleias de frutas sem adição de açúcares, cottage, e outros elementos saudáveis.

Além disso, é bom saber que a tapioca deve ser consumida no café da manhã para dar mais energia e disposição para as atividades diárias. “É ainda uma opção de lanche pré-treino para dar mais gás para realizar o exercício físico, por ser boa fonte de carboidratos”, completa Thais.

Muitos benefícios

Com todas essas dicas, as chances da tapioca engordar são mínimas. E além de evitar o ganho de peso, o alimento também trará diversas benfeitorias ao corpo. Veja a lista:

  • Como é feita da goma de mandioca, a tapioca é considerada um alimento natural, pouco processada, com baixo teor de sódio e sem gordura;
  • É um carboidrato de rápida absorção e digestão, sendo uma ótima opção para um pré ou pós treino, por exemplo;
  • É de fácil preparo, sendo uma opção prática e rápida que ajuda muito na correria do dia a dia e que pode substituir pães, que costumam ter uma quantidade considerável de conservantes;
  • Não contém glúten, sendo uma opção também para pessoas com alergia (doença celíaca) ou mesmo com intolerância a este alimento.

Comments

comments

Clique para Ler

Alimentação e Nutrição

Restrição de açúcar ou gordura têm mesmo efeito na perda de peso

Published

on

By

As descobertas do estudo podem ter consequências importantes no mercado americano de perda de peso – avaliado em 66 bilhões de dólares

Os conselhos para perder peso costumam ser consumir menos carboidratos (e, portanto, açúcares), ou menos lipídios (gorduras). Mas qual a melhor opção? Um estudo publicado nesta terça-feira demonstra que nenhum é melhor que o outro.

Além disso, fatores como genética e o metabolismo de insulina tampouco são fundamentais para os resultados de uma dieta, segundo conclusões publicadas no Journal of the American Medical Association (Jama).

Essas descobertas podem ter consequências importantes no mercado americano de perda de peso – avaliado em 66 bilhões de dólares -, sobretudo na última tendência do setor: a dieta do DNA, que pretende determinar o melhor regime em função da genética individual.

“Todos escutamos histórias de um amigo que fez uma dieta que deu muito certo, e de outro que tentou o mesmo regime, mas não funcionou”, disse Christopher Gardner, professor de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia.

“É porque todos somos diferentes e acabamos de começar a compreender as razões desta diversidade”, acrescentou.

Participaram do estudo 609 pessoas de entre 18 e 50 anos, 57% delas mulheres. Elas foram separadas em dois grupos ao acaso. Durante um ano, uma delas fez o regime de restrição de gordura, e o outro, o de açúcar.

Em média, cada pessoa perdeu cerca de 5,9 quilos nos dois grupos. Alguns perderam muito mais – até 27 quilos -, enquanto outros engordaram até 9 quilos.

Os cientistas não encontraram uma relação entre o regime realizado e uma perda de peso mais significativa.

“Não há uma diferença destacável na evolução de peso entre uma dieta equilibrada e leve em gorduras e uma dieta equilibrada leve em açúcares”, concluíram os pesquisadores.

“Uma parte dos genomas dos participantes foram sequenciados, o que permitiu aos cientistas buscar a presença de genes associados à produção de proteínas que modificam o metabolismo de carboidratos e lipídios”, segundo o relatório.

Os participantes ainda consumiram açúcar em jejum para medir a produção de insulina.

“Nenhum perfil genético e nenhuma secreção de insulina foram associador aos efeitos das dietas sobre a perda de peso”, concluíram.

Comments

comments

Clique para Ler

Alimentação e Nutrição

Dieta simples com o que você tem em casa para emagrecer rápido e saudável

Published

on

By

Esta dieta para emagrecer em 15 dias permite uma rápida perda de peso, podendo-se reduzir cerca de 5 Kg em apenas duas semanas e sem muito sacrifício.

Porém, quanto maior for peso que se tem para perder maior deverá ser a velocidade de emagrecimento, por isso normalmente as primeiras semanas de dieta o emagrecimento é maior.

Cardápio completo para um emagrecimento rápido

A tabela a seguir traz um exemplo de 3 dias de cardápio da dieta para emagrecer.

Refeição Dia 1 Dia 2 Dia 3
Café da manhã 240 ml de leite desnatado + omelete feita com 1 ovo e tomate Vitamina de frutas sem açúcar + 1 col de sopa de chia Iogurte desnatado + 1 col de sopa de linhaça + 2 fatias de queijo assado com alface e tomate
Lanche da manhã 1 maçã + 3 castanhas 2 fatias de queijo e presunto + 1 taça de gelatina 1 pêra + 3 amendoins
Almoço/Jantar 150 g de filé de peixe + 2 col de sopa de grão de bico + salada cozida + 2 fatias de abacaxi 150 g de peito de frango + 2 col de sopa de feijão + salada crua refogada + 1 laranja Sopa de legumes com quinoa + 1 ovo cozido + 1 fatia de melão
Lanche da tarde 1 iogurte desnatado + 1 col de sopa de linhaça 2 fatias de melancia + 3 castanhas 1 xícara de chá sem açúcar + omelete de legumes

As dietas que prometem resultados rápidos devem ser feitas por um tempo limitado e qualquer dieta deve ser feita com supervisão do nutricionista, especialmente se a pessoa tiver alguma doença como diabetes e hipertensão.

2 Regras simples para esta dieta funcionar

  1. Alimentos permitidos: carnes magras, peixes, ovos, frutos do mar, leite e derivados desnatados, sementes, castanhas, legumes, verduras e frutas.
  2. Alimentos proibidos: açúcar, batatas, macarrão, pão, arroz, farinhas, maionese, manteiga, óleo, azeite, banana, uva, abacate e carnes processadas como linguiça, salsicha, bacon e presunto.
  3. Começar a dieta desintoxicando melhora os resultados, por isso veja uma receita excelente de sopa detox para completar esta dieta.
Esta dieta pode ser complementada com chás para emagrecer, como de limão e gengibre ou chá verde, que ajudam a reduzir o inchaço e a retenção de líquidos, diminuindo o apetite e acelerando o metabolismo.

Os remédios como sibutramina ou orlistat ajudar a emagrecer mais rápida são uma opção, especialmente quando a obesidade coloca em risco a saúde, mas só devem ser tomados com indicação do gastroenterologista ou do endocrinologista, caso contrário, quando o remédio acabar é muito possível que se engorde novamente.

Comments

comments

Clique para Ler
Advertisement

Facebook



Mais Acessados