Connect with us

Destaque

Emagrecer – Reduzir ingestão calórica é a melhor e mais efetiva escolha

Published

on

Especialista americano Eric Ravussin diz ainda que, quanto menos calorias consumirmos diariamente, mais anos de vida estaremos poupando. Veja: A população mundial nunca esteve tão gorda: um a cada dez adultos é obeso. Os dados, divulgados em fevereiro pelo periódico científico The Lancet, mostram que, em 2008, 9,8% dos homens e 13,8% das mulheres sofriam de obesidade. Só no Brasil, 46,6% da população está acima do peso. Para driblar a epidemia, o especialista Eric Ravussin diz que não se deve apostar tanto em exercícios físicos. Para o fisiologista chefe da Divisão de Melhoria da Saúde e Performance do Pennington Biomedical Reasearch Center, nos EUA, o fundamental é reduzir a ingestão calórica – que, inclusive, ajuda a viver mais – e com mais qualidade de vida.

Em passagem pelo Brasil para o 14º Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica, que acontece em São Paulo, o fisiologista falou ao site de VEJA sobre as implicações do consumo calórico na longevidade, a epidemia de obesidade que assola o mundo e sobre a relação entre atividade física e emagrecimento.Confira:

Como a restrição calórica pode aumentar a longevidade? O que sabemos é que quando você restringe o consumo calórico, a temperatura do seu corpo diminui. Pesquisas anteriores já haviam mostrado que pessoas com uma menor temperatura corpórea vivem mais, esse é um dos marcadores da longevidade. Com a redução da ingestão de calorias há ainda uma mudança metabólica, principalmente na qualidade das mitocôndrias dos músculos e do fígado. Estando em melhor saúde, essas mitocôndrias não produzem tantas espécies reativas de oxigênio (radicais livres), um produto oxidante. Essa oxidação é prejudicial ao organismo, ela chega ao DNA, aos lipídeos, às proteínas, desgastando o organismo e acelerando o envelhecimento.

Esse aumento de longevidade é significativo? Vamos supor que, com o exercício físico, você aumente em cinco anos a longevidade. Com a restrição calórica, o aumento seria de sete anos. Mas o significativo mesmo não é o aumento na média da sobrevida, mas na idade máxima atingida pelos 10% do grupo que estão na ponta da cadeia, aqueles que conseguem viver mais. Pense em três grupos: o de controle (que não faz restrição calórica, nem exercício físico), os que praticam atividade física e aqueles que fazem restrição calórica. Nos dois primeiros, a pessoa que consegue viver mais chegaria, por exemplo, aos 90 anos de idade. Entre aqueles que fazem a restrição calórica, essa idade máxima seria de 100 anos.

Quanto se deve restringir? Em animais, o máximo que conseguimos foi uma restrição de 45% do consumo diário. Para a dieta humana, esse máximo seria de 30%.

Por que o senhor diz que exercício físico não ajuda a emagrecer? Quanto tempo você leva para queimar 400 calorias? E quanto demora para ingerir essas calorias? Você sente mais fome depois de um exercício físico? Eu acredito que a atividade física é muito boa para manter o peso, mas não acho que, sozinha, ela seja a melhor saída para emagrecer.

Os exercícios físicos aumentam o metabolismo do corpo. Não é o mecanismo inverso da restrição calórica? Mas atividade física também produz mais espécies reativas de oxigênio [o que prejudica a longevidade]. Ainda assim, o exercício ajuda a pessoa a viver mais. Isso acontece porque, ao mesmo tempo em que produz essas espécies, o organismo monta uma defesa ao estimular enzimas que são antioxidantes. O resultado final acaba sendo positivo ao corpo.

O índice metabólico (velocidade com que o corpo processa substâncias) é genético? Acredito que sim, ele é altamente determinado pela genética.

O índice metabólico é o responsável por algumas pessoas serem magras e outras obesas? Também. O que tem a determinação mais forte da genética é a altura da pessoa. Em seguida, acredita-se que venha a obesidade. Isso pode ser visto em pesquisas com irmãos gêmeos que foram separados por adoção. Apesar de viverem em ambientes distintos, eles continuam se parecendo fisicamente, em relação ao peso, por exemplo. Não temos ainda o conhecimento de um gene específico para a obesidade e para o diabetes que comprove, de fato, a tese. Mas, ainda assim, acredito que existe uma influência muito forte da genética.

Alguém que nasceu para estar acima do peso, estará sempre acima do peso? Existem dois pontos importantes no emagrecimento: ambiente e hábito alimentar. Em grupos indígenas da mesma etnia que vive em lugares distantes, por exemplo, existem os com problemas de diabetes e os saudáveis. Isso porque em um a comida é abundante, enquanto no outro há escassez. É a influência do ambiente. Mas, além disso, se você é um comedor restrito, que pensa sobre o que come, ou uma pessoa que queira se exercitar e se force a isso, você vai permanecer magro.

Qual a melhor dieta? Para perder peso, o que realmente importa são as calorias. Dietas como a Atkins, por exemplo, funcionam porque elas são mais fáceis de fazer. Quando você restringe as calorias consumidas, pode-se passar fome e isso pode ser um problema. O comportamento, o hábito alimentar, é a coisa mais difícil de mudar, mas é o que garante uma perda de peso saudável e permanente.

Existe uma fórmula para controlar a epidemia de obesidade? Acredito que sim: políticas de saúde. Na Holanda e na Dinamarca, as gorduras trans foram banidas do dia para a noite, porque eles sabiam que elas eram prejudiciais à saúde. Nos Estados Unidos isso é algo difícil de fazer. Grandes indústrias alimentícias, como a Coca-Cola, por exemplo, fazem lobbies constantes e prejudicam o processo. Mas, felizmente, alguns passos já estão sendo tomados. Em Nova York, as calorias precisam agora vir no cardápio ao lado do prato. Se isso vai mudar algo, não sei. Mas acredito que a saída para contornar a obesidade está na política pública e na educação.

Fonte:
veja.abril.com.br
corpoemfoco.com.br

Comments

comments

Destaque

Após emagrecer 23 kg, Fani Pacheco faz ensaio mostrando seu corpo e glúteos

Published

on

By

Há seis meses, Fani Pacheco precisou encarar uma combinação de dieta e exercícios para sair de um quadro de saúde nada favorável: estava a um passo de ser tornar diabética, entre outras coisas. De lá pra cá, mudou sua alimentação, voltou a praticar exercícios e emagreceu 23 kg.

De 85 kg eu passei para 62 kg, em seis meses. Com dieta tranquila, porque eu não tinha nenhuma meta de quanto tempo eu tinha para emagrecer. Eu queria emagrecer feliz, sem sofrer”, contou em uma entrevista exclusiva para aGlamour.

Com a perda de peso, Fani disse que teve que começar a se preocupar com a flacidez. “Fiquei flácida, sim! No quinto mês de emagrecimento, eu me senti ‘mole’, principalmente, nas coxas e no bumbum Eu nunca tinha passado por isso. Mas eu achava que malhando ia recuperar o tônus muscular, e realmente isso aconteceu. Eu acho que musculação tinha que ser igual a escovar os dentes, todo mundo tem que fazer”, decretou.

No papo, a digital influencer ainda deu dicas de beleza, falou sobre a faculdade de Medicina e sobre a carreira de modelo agora que não é mais plus size. Confira a entrevista completa:

Quantos quilos você emagreceu desde que começou a fazer dieta e exercícios?
Em seis meses, eu já tinha perdido 23 kg, 3,5 kg por mês, em média, desde janeiro. Então, de 85 kg eu passei para 62 kg. Com dieta tranquila, porque eu não tinha nenhuma meta de quanto tempo eu tinha para emagracer. Eu queria emagrecer feliz, sem sofrer. Então, eu tinha minhas escapadas, fazia parte da minha conversa com a médica, poder sair da dieta quando eu quisesse. Eu não abri mão da minha Coca Zero. Feriados, eu comia churrasco, tomava bebidas alcóolicas quando eu queria. Às vezes, optava por um vinho branco em vez de uma cerveja. Por acaso, consegui perder nesse tempo, mas não tinha uma meta. Tinha emagrecer sem sofrer. Enjoava de ovo? Ela substituía. Queria chocolate? Ela colocava. Era uma dieta para eu ficar feliz, porque teve a história da síndrome metabólica e a resistência insulínica que e me motivaram, mas eu não queria passar fome. Eu achava que ia demorar, que ia sofrer, mas foi pelo acompanhamento médico, pela medicação que eu tomei, que me ajudou muito, e também pela minha dedicação.

Já chegou ao seu objetivo? Como está sua relação com seu corpo? Está feliz?
Eu continuo fazendo tratamento, deve levar um ano para estabilizar meu peso, meu metabolismo novo. Para poder comer o que eu gosto sem neurose. Eu estava fraca na época (que comecei), tinha 47% de gordura. Eu fazia musculação e pelo menos um HIIT. Pegava duas placas e tremia a perna, parecia fisioterapia. Era difícil entender que era um processo. Eu sempre fui de academia, de pegar peso.

Agora, meu corpo voltou para o lugar… Estou sarada de novo. Estou feliz com o meu corpo, sim. Esse corpo é um corpo saudável e que me permite ter mais qualidade de vida. Antigamente, eu estava feliz gordinha; eu achava que dava para ser uma gordinha saudável, mas a genética não permitiu. Então, cada um com seu cada um. Respeito quem tem genética boa e consegue ser feliz assim, mas minha heditariedade não era essa.

 

Segue fazendo dieta e exercícios, então? 
Hoje em dia eu continuo fazendo tratamento com a Dra. Petra, porque se não eu engordo de novo. Por isso que as pessoas reclamam: essa coisa de tratamento com medicação, engorda tudo de novo. Engorda se você emagrecer e parar de fazer o tratamento. Aí engorda mesmo. Qual o objetivo de emagrecer? Mudar seu metabolismo, favorecendo para que depois você não engorde de novo. Não quero passar a vida inteira de dieta.

Você sofre com a flacidez após o emagrecimento? O que tem feito para se cuidar?
Fiquei flácida, sim! No quinto mês de emagrecimento, eu me senti mole. Eu nunca tinha passado por isso. Mas eu achava que malhando ia recuperar e realmente aconteceu. Eu acho que musculação tinha que ser igual a escovar os dentes, todo mundo tem que fazer.

Em julho, a médica começou um trabalho de suplementação de ganho de massa magra, por um programa de hipertrofia muscular. Em seis meses, meu percentual de gordura que estava em 47% foi para 24%. Eu fiz uma avaliação física, com ultrassonografia. Eu iniciei devagar, com personal, para não ficar dolorida. Agora, já estou sozinha. Hoje eu já voltei ao meu preparo físico de antes de engordar. Desde os 14 anos, eu era atleta amadora, fazia surf, rapel, corrida, jiu-jitsu, natação, musculação e tudo. A memória muscular pode ter ajudado, mas a suplementação e dedicação também foram importantes. Minha meta é chegar aos 14% de gordura.

Como você lida com as estrias?
Eu tive aos 12 anos de idade, quando dei aquela esticada rápida de altura, na adolescência. E minha mãe me passou uma receita que eu nunca deixei de fazer, igual escovar os dentes, e que foi o que preveniu. Minha mãe tinha estria e usava esse tratamento. Tenho nos glúteos e na parte interna da coxa. Desde então, minha mãe diz para usar óleo de amêndoa. Tomava banho, passo óleo, com o corpo molhado ainda, e seco com a toalha, de forma que o corpo ainda fique com um pouco. Depois, eu passo um hidratante pro cima, mas o óleo é o segredo. Então, são mais de 20 anos passando óleo de amêndoas. Não tive estrias quando engordei e depois emagreci. Esse é meu segredo.

O que você faz para cuidar da pele do rosto? Quais produtos usa?
Hoje eu faço peeling, microagulhamento, faço todo tipo de tramento, porque com o tempo e uso de anticoncepcional prolongado, que é uma beleza, eu desenvolvi melasma no rosto. Porém, o que me salvava quando eu era dura, era a esfoliação com mel e açúcar e lavar o rosto com sabão de coco. Era o que mantinha a minha pele com o mínimo de acne possível. Hoje em dia, uso protetor solar diariamente, cor de base. De manhã, eu uso uma fórmula de ácido glicólico, hidroquinona e ácido hialurônico. De noite, eu lavo o rosto, passo ácido retinóico antes de dormir, antienvelhecimento e para reparar as manchas. Eu também tomo protetor solar, em cápsulas, que inibe mais ainda os raios ultravioletas. Ele é manipulado.

Alguns fãs se enfureceram com você, por ter emagrecido. Esses comentários negativos te atingem? Como você se sente ao ler tudo isso?
Algumas vezes atingem, porque as pessoas são más, não são legais umas com as outras. Não a maioria, a maioria é boa. Tem uma minoria que não, que fala que eu emagreci, então não vai mais me seguir, que diz que eu sou vazia, porque eu emagreci, cedi aos padrões de beleza da sociedade. Então, a pessoa só gostava de mim porque eu tinha engordado. Ela nem sabia como eu era. Diziam: ‘você pensava melhor gorda, agora você pensa diferente, não gosto mais de você’. Muita gente nem sabe que eu emagreci porque tive síndrome metabólica, mas não interessa. As pessoa não tem que comentar dessa forma sobre as outras. Pode deixar de seguir, mas o critério que elas usam é bem ruim. Existem pessoas más e a internet mostra, porque cara a cara é mais difícil. Então, ali a gente vê que tem muita gente ruim no mundo. Me incomoda, a maioria eu não respondo. Me incomoda ver que tem gente assim no mundo, não só em relação ao meu emagrecimento.

Como ficou a carreira de modelo, após o seu emagrecimento?
Minha carreira de modelo pós-emagrecimento está devagar. Eu acho que as pessoas precisam de um tempo para assimilar. Quando eu engordei, fiquei sete meses sem trabalhar, que não valorizavam e bombei de trabalho. Agora emagreci, no começo trabalhei, mas agora tá devagar.Tem bastante cotação, mas não tenho fechado muita coisa não. Não sei se é o mercado.

Você faz procedimentos estéticos? Quais?
Eu fiz harmonização facial com a Dra. Mariana Alpino, tem que fazer com dermatologista ou cirurgião plástico, que seja especializado. Eu amei! Nunca achei que fosse um negócio assim tão louco. Eu saí com 30 anos, na primeira. Na segunda etapa, eu já estou com 27 anos. Tô com medo da terceira etapa, acho que vou voltar para 18 (risos).Os tratamentos estéticos que eu faço são esses, cuidar da pele, não faço massagem ou drenagem, tenho preguiça. Cabelo, tenho máscara que passo toda semana para hidratar. Mas nada além disso, não. Sou a favor da drenagem e massagem, a mulher se sente desinchada. eu faço quando tô relaxada, antes de uma foto, mas eu tenho preguiça de ir até o local. Eu acho que relaxa mesmo o corpo e melhora as coisas, o corpo como um todo, retenção de líquido, relaxamento. Acho que é bom. Gostaria de fazer mais vezes.

Pensa em fazer cirurgias plásticas? Já fez alguma?
Já fiz lipo nos flancos, duas vezes. Coloquei silicone uma vez. Única plástica que fiz na vida foram essas. Não pretendo fazer outra plástica, não. Pensei em fazer quando emagreci, porque achei que meus seios iam despencar. Porque, na verdade, eu comecei a usar 50 de sutiã, passei pro 48 e agora tô no 46. Então, isso de gordura. Mas fui surpreendida por fazer musculação, fazer supino com 15 kg de cada lado e aí meu peito fez um super up, foi para o queixo (risos). Tô brincando. O meu seio é um formato pera, que é o natural, deu uma boa levantada com a musculação, ficou nos trinques.

Como está a faculdade de Medicina?
A faculdade tá ótima, eu tô adorando. Estou no terceiro período, já são matérias bem específicas de Medicina. Agora a gente já está estudando todo o trato grastrointestinal, tá bem legal, tô gostando. Mas meu caminho é a psiquiatria.

Você recentemente teve um problema com o Instagram, que foi hackeado. Você perdeu muito dinheiro com isso? O que tem feito para cuidar da segurança da sua conta? Tem dicas para dar?
Ele foi hackeada. Perdi dinheiro, sim. Porque naquela semana tinham posts pagos para entrar. Já estavam pagos e eu tive que devolver o dinheiro, enfim, consegui recuperar. Perdi mais de 3 mil fotos, que são minha história. Não tinha backup. Perdi parte da minha propriedade intelectual. Foi chato. Perdi uns dez mil seguidores. Aos poucos, vou recuperando. A dica é: ter senhas diferentes em todas as suas redes sociais, senhas que variam letras maiúsculas, minúsculas, números e caracteres. Tudo meu era bem básico. Negócio é colocar senhas difíceis mesmo.

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

De biquíni fio dental, Viviane Araújo mostra samba no pé

Published

on

By

É samba no pé que vocês querem? Então, toma!

Na última quinta-feira (13), Viviane Araújo exibiu todo seu talento ao publicar um novo vídeo no Instagram. Nele, a gata apareceu dançando e mostrando todo seu gingado.

A atriz, que sempre é presença garantida no Carnaval, mostrou que não tem época certa para a folia e curtiu ao som de uma música animada.

Vivi ainda deixou todos seus seguidores babando pela sua boa forma, já que o modelito que ela usou durante o registro foi um biquíni fio dental. Uau!

Nos comentários, choveram elogios para a morena. “Rainha”, “top”, “deusa”, “maravilhosa” foram apenas alguns deles.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

#Tbt de um dia qualquer… Só alegria!!!!!!! ???? Vídeo by @luizmello__ ? kkkk

Uma publicação compartilhada por Viviane Araujo (@araujovivianne) em

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Geisy Arruda posta foto com maiô cavado e bate-boca com fã

Published

on

By

Nesta última quinta-feira (13), Geisy Arruda compartilhou com seus mais de 900 mil seguidores, uma foto onde aparece com um maiô preto, cavado, curtindo as águas do mar. Na legenda, ela informou que era um ‘TBT’ de uma viagem inesquecível que fez e completou: “Acho que já posso voltar para Miami Beach? Tô apegada“.

A postagem rendeu dezenas de milhares de curtidas, mas apesar de toda sensualidade na foto e a beleza do cenário, alguns internautas deixaram comentários acusando a modelo de ter editado a imagem.

É proprietária do Photoshop“, comentou um. “O Photoshop deixou a virilha direita maior que a esquerda“, ironizou outro.

Veja o click:

Perdeu a paciência

Mas teve um comentário que deixou Geisy Arruda furiosa. Um internauta escreveu: “Não tem Photoshop. É verdade esse bilete“. A modelo usou seu Stories no Instagram para retrucar o comentário.

Geisy postou uma imagem do comentário, onde respondeu: “Quer ver de perto, gostosa?”

Ao compartilhar esse comentário com os seguidores, a modelo ainda ironizou, escrevendo: “Eu já disse que o amor não tem rótulos, né? Só não pode ser chata e nem recalcada, aí não quero não“.

Veja:

Símbolo Feminista

Em recente entrevista para o ‘Sensacional’, da RedeTV!, Geisy disse que após sofrer bullying na faculdade, se tornou um símbolo feminista para todo o país, passando a representar as mulheres.

Na época ela processou a faculdade e acabou ganhando a causa, além de conquistar a mídia. Ela confessou que desde então vem se mantendo apenas com essa fama que conquistou, pois transformou algo que seria um grande problema, em um benefício para sua vida.

Comments

comments

Clique para Ler

Advertisement

Facebook


Mais Acessados