Connect with us

Destaque

Leucina é a forma mais rápida de repor a perda de massa muscular

Published

on

Investigadores franceses do Centro de Recherche en Nutrition Humaine descobriram que a leucina é essencial para repor de forma mais rápida a perda de massa muscular. O estudo envolveu ratos de laboratório com idades diferentes, aos quais foram administrados o aminoácido.
Processo que se acentua com o envelhecimento, a perda de massa muscular resulta de um desequilíbrio entre o processo de formação e destruição dos músculos. Os investigadores acreditam que uma dieta ou suplementação com grandes quantidades deste aminoácido pode ajudar os idosos a manter os músculos saudáveis.

Os músculos em adultos são constantemente fabricados e decompostos. Quando jovens, esses dois processos mantêm-se em equilíbrio mas à medida que envelhecemos, a decomposição se sobressai. Entretanto, acrescentar o aminoácido leucina à dieta de indivíduos idosos pode reverter esse processo. Essa é a descoberta de uma pesquisa realizada por Lydie Combaret, Dominique Dardevet e colegas na Human Nutrition Research Centre of Auvergne, INRA, Clermont-Ferrand, France.

Depois dos 40 anos, os humanos começam a perder músculo em torno de 0,5% a 2% ao ano. Esse processo, denominado sarcopenia, é responsável pela redução da mobilidade e da autonomia entre os idosos.

Logo depois de uma refeição, a decomposição de proteína fica mais lenta e a síntese duplica. Este processo é desencadeado pela chegada de aminoácidos em abundância. Em animais mais velhos, esse estímulo é menos efetivo; a síntese fica mais lenta, e trabalho anterior também sugeriu que a decomposição também pode ser afetada. Embora acrescentar leucina à dieta restaure a construção de proteína, não havia ciência sobre o efeito do suplemento na decomposição.

Os pesquisadores compararam a decomposição da proteína em ratos jovens (8 meses) e velhos (22 meses). Eles descobriram que a desaceleração na degradação que normalmente se segue a uma refeição não ocorre em animais velhos e, portanto, existe uma decomposição excessiva. Mas acrescentar leucina à dieta restaurou um metabolismo equilibrado.
Os resultados do estudo nos ratos sugerem, segundo seus autores, que um complemento alimentar a base de leucina ou o consumo regular de alimentos ricos nesse aminoácido, como os produtos lácteos, pode ter um efeito positivo na manutenção da massa muscular.

A equipe de pesquisadores acredita que o problema relacionado com a idade resulta da inibição incompleta da proteólise dependente de ubiquitina-proteasoma, uma maquinaria de decomposição complexa que quebra proteínas de músculos contráteis, e que a suplementação de leucina pode restaurar completamente a função correta.
“Prevenir a perda muscular é uma questão sócio-econômica e de saúde pública importante, que pode ser combatida com um dieta rica em leucina”, diz o co-autor Didier Attaix. Segundo comentários de Michael Rennie da University of Nottingham Medical School at Derby, isso é empolgante pois fortalece a idéia de uma ligação coordenada entre estimulação da síntese de proteína relacionada à refeição e a inibição da decomposição”.

Leucina

Aminoácido não produzido pelo organismo e utilizado para sintetizar proteínas. Atua como fonte de energia nos exercícios físicos. Compõe o conjunto de aminoácidos essenciais genericamente conhecidos como BCAAs.
Síntese protéica no músculo esquelético após exercício físico.

Leucina e Regulação da Síntese Protéica Muscular

Atividades físicas de alta performance e a recuperação pós-exercício levam a mudanças significativas no metabolismo protéico e de aminoácidos no músculo esquelético. A principal dessas mudanças é um aumento no metabolismo do aminoácido de cadeia ramificada (BCAA) leucina.
Após sessões de exercício aeróbico, anaeróbico lático e exercício prolongado, os níveis séricos ou plasmáticos de leucina diminuem significativamente para respectivamente 22%, 6,5% e 30%, em média.
No músculo esquelético, há uma diminuição no nível de leucina e uma redução no estoque de glicogênio durante o exercício aeróbico exaustivo. Sendo assim, o consumo de BCAA (30 a 35% de leucina) antes ou durante os exercícios de endurance pode prevenir ou diminuir a taxa de degradação protéica e pode melhorar ambas as performances mental e física.

Estudos clínicos comprovaram:

Leucina regula a iniciação da tradução da síntese protéica no músculo esquelético após exercício .
De acordo com Norton et al., durante o exercício físico acontecem os seguintes eventos:

  1. Diminui a síntese proteica;
  2. Aumenta a degradação proteica;
  3. Aumenta a estimulação da oxidação de BCAA.

Conclusão

  • Após o exercício, a recuperação da síntese de proteína no músculo requer dieta protéica ou de BCAA a fim de aumentar os níveis teciduais de leucina.
  • O efeito da leucina na mTOR é sinérgica com a insulina via caminho de sinalização fosfoinositol 3-quina
  • Juntas, insulina e leucina permitem ao músculo esquelético coordenar a síntese de proteína fisiologicamente e através do consumo alimentar.
  • J Nutr. 2006 Feb;136(2):533S-537S.

Ingestão de carboidrato, proteína e leucina livre na síntese protéica

Outro estudo, conduzido por Koopman et al. mostrou que o consumo de carboidrato, proteína e leucina livre 45 minutos após o exercício traz benefícios para o balanço corpóreo de proteínas para aqueles que praticam exercícios de resistência. De acordo com os pesquisadores, a co-ingestão de proteína e leucina estimula a síntese de proteína muscular e otimiza o balanço corpóreo total de proteínas comparada à ingestão de apenas carboidrato.
Am J Physiol Endocrinol Metab. 2005 Apr;288(4):E645-53. Epub 2004 Nov 23.

Leucina como um nutriente sinalizador direto na modulação da síntese protéica no tecido adiposo
Um estudo realizado pela University College of Medicine, Estados Unidos, mostrou que a leucina ativa o caminho de sinalização mTOR em adipócitos de ratos isolados. A ativação da mTOR resulta na fosforilação da proteína ribosomal S6 quinase (S6K1) e do fator de iniciação eucariótico 4E (4E-BP1), duas proteínas envolvidas na fase de iniciação da síntese protéica.
Am J Physiol Endocrinol Metab. 2002 Sep;283(3):E503-13.

Descrição

  • Leucina é um aminoácido essencial, ou seja, não é sintetizado pelo organismo, devendo ser fornecido pelos alimentos.
  •  Leucina, isoleucina e valina, os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA), compreendem cerca de um terço das proteínas do músculo.
  •  Entre eles, a leucina tem sido a mais amplamente investigada, pois sua taxa de oxidação é maior quando comparada à isoleucina ou valina.

Propriedades

  • A leucina estimula a síntese protéica no músculo e é estritamente associada com a liberação de precursores gliconeogênicos, tais como a alanina do músculo.
  • Assume-se que o conteúdo de leucina na proteína varia entre 5 e 10%.
  • Estudos mostram que este aminoácido é capaz de produzir uma completa recuperação do nível de glicogênio e da taxa fracional de síntese protéica no músculo esquelético após exercício físico.

Posologia: 50 mg/kg/dia.

Indicação

  • Auxiliar na recuperação do músculo esquelético no pós-exercício físico;
  • Anabolismo protéico;
  • Aumento na performance mental e física;
  • Aumento na resistência física;

Efeitos adversos: Não encontrado na literatura pesquisada.
Contra-indicações: Não encontrado na literatura pesquisada.
Interações medicamentosas: Não encontrado na literatura pesquisada.

Mecanismo de Ação

A estimulação da síntese proteica é associada com a ativação de fatores iniciação da tradução tais como 4E e 4G e a proteína ribossomal S6 sob controle regulatório da sinalização da insulina intracelular e concentração de leucina.
Após o exercício, a recuperação da síntese protéica muscular requer suplementação protéica ou de BCAA a fim de aumentar os níveis de leucina para que ocorra a ativação da proteína quinase mTOR (alvo da rapamicina em mamíferos) e como conseqüência, a fosforilação do complexo do fator 4. O efeito da leucina é potencializado com a insulina através da via de sinalização fosfoinositol 3-quinase.
A ativação da mTOR resulta na fosforilação da proteína ribosomal S6 quinase (S6K1) e do fator de iniciação eucariótico 4E (4E-BP1), duas proteínas envolvidas na fase de iniciação da síntese protéica.

A leucina é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendo portanto um dos componentes das proteínas dos seres vivos.
A leucina é um dos 20 aminoácidos que as células do corpo humano utilizam para sintetizar proteínas, porém o mesmo não o produz. Desempenha funções importantes no aumento das proteínas e atua com fonte de energia durante os exercícios físicos, aumentando a resistência e reduzindo a fadiga. É integrante da cadeia ramificada, juntamente com a isoleucina e a valina, é encontrado de maneira abundante em carnes eleguminosas (soja e feijão), com uma concentração média de 1g/100g e de 3g/100g, respectivamente.

Aminoácidos são a chave para desenvolver músculos.
Essa é uma das ultimas afirmações de Jerry Brainum, um perito em todos os aspectos do exercício e nutrição, escritor com mais de 3.000 artigos em mais de 20 publicações nacionais e internacionais, incluindo a Muscle & Fitness, Flex, Men’s Fitness, e outras.
Segundo Jerry:

  • Pessoas que desejam desenvolver músculos não precisam exatamente de proteína, mas sim dos aminoácidos encontrados nas proteínas.
  • Estudos mostram que os BCAAs evitam a ruptura muscular e bloqueiam a dor muscular tardia.
  • BCAAs estimulam os hormônios anabólicos: testosterona, hormônio do crescimento e insulina.

Durante o processo de digestão, os alimentos ricos em proteínas, como leite, carne e ovos, são transformados em aminoácidos. Vinte e dois aminoácidos são conhecidos. Destes oito são considerados essenciais, já que não podem ser sintetizados no organismo, mas devem ser fornecidos pelos alimentos.

Apesar de todos os aminoácidos essenciais serem vitais para ganhos em tamanho muscular e força, de fato, estudos recentes mostram que apenas os aminoácidos essenciais são necessários na síntese protéica muscular – alguns deles são mais vitais do que outros. Três – valina, Isoleucina e leucina – São conhecidos coletivamente como os da cadeia ramificada de aminoácidos (BCAA). Os BCAAs são únicos porque não são metabolizados no fígado, mas no músculo. É por isso que eles são chamados de aminoácidos do músculo.
Leucina destaca-se como tendo a maioria das propriedades anabolizantes. Modernossuplementos que prometem “superar as limitações genéticas” provavelmente utilizam uma boa quantidade e qualidade de BCAA, especialmente a leucina. Como por exemplo a Whey Protein.

Vários estudos apontam a leucina como um meio de manter o músculo, ao fazer dieta para perder gordura corporal. Se você faz aeróbica e dieta, tomar uma dose de suplemento BCAA antes do treino, deveria evitar a perda muscular. Para tirar o máximo proveito do BCAAs, incluir uma fonte de vitamina B1, ou tiamina, que é necessária para o metabolismo do BCAA.
OBS: A dose varia conforme seu peso corporal. Na dúvida siga as instruções do rótulo ou consulte um nutricionista.
Estudos recentes mostram que tomar aminoácidos essenciais, incluindo BCAAs, antes do exercício inicia processos anabólicos. Isso porque o aumento do fluxo sanguíneo no inicio do treinamento promove uma maior entrada de aminoácidos no músculo.
Um outro estudo mostrou que BCAAs ajudam a diminuir os danos musculares durante o exercício e bloqueio que é chamado de dor muscular tardia após o treinamento intenso.
Hormônios anabólicos, como a testosterona, hormônio de crescimento e insulina, são estimulados pelos BCAAs. A Leucina em particular juntamente com a insulina, que é anti-catabólico e que, juntamente com outros aminoácidos essenciais, estimulam a síntese protéica muscular.

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Leucina

http://www.copacaban…s.net/bcaa.html

http://www.saudeja.c…stGroup=leucina

http://emedix.uol.co…elhecimento.php

http://www.bioq.unb….ral/LEUCINA.HTM

http://performance.c…desc.asp?id=262

http://sempreomelhor…ess/tag/leucina

http://news.slnutrition.com

Comments

comments

Destaque

Nova Bailarina do Faustão ostenta corpão e faz sucesso na web

Published

on

By

A bela e paulista Karine Guzman acaba de ser anunciada como uma das novas bailarinas do “Domingão do Faustão”. Mas, aos 24 anos, ela é dona de um currículo digno de uma veterana. Modelo e bailarina, ela já estrelou várias campanhas publicitárias, participou de concursos de beleza e fez parte do grupo musical chamado As Leoas, ao lado de quatro outras beldades, no ano de 2012.

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Sueca com bumbum de 2 metros diz sentir falta dos antigos glúteos

Published

on

By

Ela tem uma obsessão: ganhar a coroa de maior bumbum do planeta. O título é ostentado pela americana Mikel Ruffinelli, mas conhecida como Diva, que tem circunferência glútea de 2,5 metros! A sueca de 36 anos já chegou a 2 metros e, graças a uma dieta supercalórica, está se dedicando a quebrar o recorde.

Nascida em Estocolmo, Natasha Crown, que garante que as nádegas são “naturais”, falou com exclusividade à coluna. Apesar de amar o que vê no espelho, ela sente falta dos tempos em que o bumbum era bem discreto e não tinha “vida própria”. Mas é um caminho sem volta

Natasha Crown antes e depois da transformação Foto: Arquivo pessoal cedido ao Page Not Found/Instagram

A que tipos de cirurgias plásticas você já se submeteu no bumbum?

O único procedimento que realizei foi as transferência de 4,7 litros de gordura abdmominal para os glúteos (técnica conhecida como brazilian lift).

Natasha Crown atual e antes da transformação Foto: Instagram/Arquivo pessoal cedido ao Page Not Found

Você começou a sua transformação ao 20 anos e agora é uma pessoa totalmente ‘diferente’. De alguma forma, você sente falta da antiga Natasha?

Sim, sinto. Às vezes tenho vontade de voltar a ser a antiga Natasha para sentir na pele a diferença. Antes era mais fácil sair de casa sem ser notada.

Natasha Crown antes da transformação Foto: Arquivo pessoal cedido ao Page Not Found
Natasha Crown antes da transformação Foto: Arquivo pessoal cedido ao Page Not Found

Como você ganha a vida?

Eu faço performances diante de câmeras na internet. Os fãs podem me fazer pedidos e às vezes pedem coisas bem estranhas. Não me pergunte quais.

Recentemente, uma mulher morreu após passar por procedimento estético – bioplastia – realizado pelo ‘Doutor Bumbum’. Você não tem medo de ter complicações?

Não, nenhum. Não me submeto a esse tipo de procedimento. Sou natural. Jamais usaria substâncias de preenchimento para aumentar o meu bumbum. Só uso gordura do meu corpo. Nada de silicone ou coisas do tipo.

Natasha Crown (à direita) antes da transformação Foto: Arquivo pessoal cedido ao Page Not Found

Então você acha que não corre nenhum risco?

Amo a minha vida e não acredito que a esteja colocando em risco. Meu objetivo é viver a vida na plenitude.

No seu site você diz que é atriz. Que tipo de atriz?

A minha carreira de atriz está focada agora em reality shows.

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Bumbum poderoso! Juliana Paes ‘abala as estruturas’ com novas fotos em Ibiza

Published

on

By

Juliana Paes, que está longe da televisão desde quando atuou em ‘A Força do Querer’ (2017), aproveita essa pausa em sua carreira profissional para curtir férias com o marido. Ainda na Espanha, tem causado repercussão por conta de seus posts.

No primeiro clique, a atriz posou de costas, usando um chapéu panamá, óculos escuros e uma saída de praia preta transparente. Na segunda foto, já aparecia de biquíni. O que as duas publicações tem em comum? O elogiado bumbum deJuliana, nas fotos em Ibiza.

“Kardashian que me desculpe, isso sim é que é um corpo”“Depois dessa foto, até larguei meu pão de queijo e fui fazer uns agachamentos” e “Se eu tivesse uma bunda dessas, eu só entraria de costas nos lugares” foram alguns dos muitos comentários de seguidores nesse teor.

Tchau!!!!!!! ?

Uma publicação compartilhada por Juliana Paes. Actress. Brazil (@julianapaes) em

Comments

comments

Clique para Ler

Advertisement

Facebook


Mais Acessados