whey protein
Academia

Luciana Lacerda namorada de Marcelo Rezende está em depressão e a solução é atividade física

Luciana Lacerda, a namorada de Marcelo Rezende, voltou a morar no Rio de Janeiro. Ela estava na casa do apresentador Geraldo Luís desde o sepultamento de Rezende e retornou ao Rio.

De acordo com informações do colunista Leo Dias, Luciana teria contado aos amigos que está em depressão e desempregada.

Barrada

Desde que Marcelo foi internado no Hospital Moriah, em São Paulo, Luciana só conseguiu ir até o hospital três vezes: uma com Geraldo Luís (mas foi impedida de ver o namorado pela família de Marcelo), uma com Luiz Bacci e outra vez, sozinha.

Estudo recomenda exercícios físicos para pacientes com depressão

Exercícios aeróbicos três a cinco vezes por semana são os mais indicados para o tratamento da doença

Exercícios físicos são indicados pelos médicos como parte do tratamento para diversas doenças, como problemas cardíacos, colesterol e diabetes. Alguns estudos já mostraram, porém, que essa prática pode ajudar também pacientes com depressão. Pesquisadores da Universidade do Texas, em Dallas, fizeram uma revisão dos dados sobre o assunto, com objetivo de fazer uma recomendação mais precisa do tipo de intensidade de exercícios recomendados

Onde foi divulgada: periódico Journal of Psychiatric Practice

Quem fez: Chad Rethorst e Madhukar Trivedi

Instituição: Universidade do Texas, EUA

Resultado: Exercícios aeróbicos são os mais indicados para estes pacientes, apesar de os treinos de resistência também poderem ser utilizados. A recomendação é de 3 a 5 vezes por semana, sessões de 45 a 60 minutos. Porém mesmo que o paciente não atinja a frequência ou intensidade de exercícios recomendadas, a atividade ainda pode ser benéfica.

“Apesar do grande número de evidências que apoiam o uso de exercícios no tratamento da depressão, estudos anteriores não forneceram indicações claras da dose adequada de exercícios necessária para promover o efeito antidepressivo”, escrevem os autores Chad Rethorst e Madhukar Trivedi. O estudo foi publicado na edição de maio do periódico Journal of Psychiatric Practice.

Estudos anteriores mostraram que a prática de exercícios é efetiva na redução dos sintomas da depressão tanto utilizada sozinha quanto em conjunto com medicamentos e terapia. Agora, a revisão de literatura mostrou que os exercícios aeróbicos são os mais indicados para pacientes com depressão, apesar de os treinos de resistência também poderem ser utilizados. Rethorst e Trivedi recomendam que o paciente pratique de três a cinco vezes por semana, em sessões de 45 a 60 minutos.

A intensidade deve ser de 50 a 85% da frequência cardíaca máxima do indivíduo. Em treinos de resistência, a recomendação é de exercícios variados para os membros superiores e inferiores – três vezes de oito repetições a 80% do peso máximo que a pessoa aguenta.

Os dados sugerem que os pacientes devem sentir melhoras nos sintomas da depressão cerca de quatro semanas após o início dos exercícios, mas os autores recomendam que o programa seja mantido por pelo menos 10 a 12 semanas, a fim de obter maior efeito antidepressivo.

 

Participação e incentivo – Nos estudos analisados, apenas 15% dos pacientes abandonaram o programa de exercícios. Essa taxa é comparável à de pessoas que abandonam o uso de medicamentos ou a terapia.

Para melhorar a adesão à prática, os autores recomendam que os pacientes sejam consultados sobre seus tipos de exercícios preferidos, e que recebam atenção individualizada.

Mesmo que o paciente não atinja a frequência ou intensidade de exercícios recomendadas, a atividade física ainda pode ser benéfica. “Os médicos devem encorajar os pacientes a praticar algum tipo de exercício, mesmo que não seja o suficiente para atingir as recomendações”, afirmam os autores.

Opinião da especialista

Helena Calil

Psiquiatra e professora da pós-graduação em psicobiologia da Unifesp

“Existe uma grande quantidade de estudos comprovando a importância do exercício ara o tratamento da depressão. Como os antidepressivos nem sempre promovem a recuperação total do pacientes, outras abordagens se tornaram muito importantes.

Na maior parte dos casos os exercícios são usados como tratamentos coadjuvantes, em combinação com os medicamentos, mas casos mais brandos os exercícios podem até promover a melhora sem o uso de remédios.

Os autores buscam auxiliar o médico na prescrição de exercícios para tratamento da depressão, o que já é feito, mas não de uma maneira tão estruturada”.

Comments

comments

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top