Connect with us

Destaque

Suar não emagrece

Published

on

É frequente associar-se a transpiração com o emagrecimento, mas desiludam-se os que assim pensam e que recorrem ao exercício físico como forma de perderem água e assim perderem peso.

É verdade que o esforço físico nos faz suar, logo, perder água, mas esse défice deve ser prontamente restabelecido, ingerindo líquidos logo após o exercício físico. O processo de emagrecimento decorre, sim, do facto de o exercício físico implicar um gasto de energia. Daí muita gente sentir fome após uma sessão de ginástica ou de natação.

A transpiração é uma função essencial do nosso organismo, mas incomoda muito no Verão, sobretudo devido ao odor que se liberta. Pouca gente saberá, mas o suor excessivo pode ser uma doença, que causa embaraço social e transtornos psicológicos a quem dela sofre.

Na música, na literatura e na história, o suor é exaltado como símbolo de trabalho, de esforço, dedicação e sacrifício. Mas da teoria à realidade pode ir a distância de uma transpiração excessiva e de um odor desagradável que nos deixa de nariz torcido, ansiando por uma lufada de ar fresco.

É verdade que suar é preciso. É verdade que a transpiração é essencial para o nosso organismo, funcionando como uma espécie de ar condicionado extremamente sofisticado que regula a nossa temperatura interior. Quando o mercúrio sobe nos termómetros ou quando fazemos um esforço, este sistema reage para nos manter nos 37ºC. É ao nível do sistema nervoso autónomo simpático que são reguladas as glândulas sudoríparas, que cobrem 99% do nosso corpo e são capazes de produzir até dois litros de suor por hora, embora o normal sejam 100 ml por dia.

Existem dois tipos de glândulas sudoríparas: as écrinas e as apócrinas.

As primeiras localizam-se no colagénio sub-epidérmico, possuindo um canal que lhes permite libertar directamente para a superfícieas secreções que produzem.

Presentes em todo o corpo, à excepção das unhas, dos lábios e dos órgãos genitais, estas glândulas reagem sobretudo ao calor. Mas as quese situam nas palmas das mãos e dos pés, e que são as mais numerosas, respondem igualmente aos estímulos psíquicos. Delas liberta-se uma solução aquosa, com uma forte concentração de sal e de amoníaco e, portanto, incolor e inodora.

Não é, pois, destas glândulas a responsabilidade pelo odor desagradável associado ao excesso de transpiração.

A “culpa” é das glândulas apócrinas, que se concentram junto aos genitais e nas axilas e cujas secreções são libertadas através dos folículos pilosos. Assim se explica a sua localização e o facto de se tornarem activas na puberdade.

Ainda que menos importantes do que as écrinas, são estas glândulas que fornecem a cada um a sua individualidade olfactiva, ou seja, são elas que determinam o odor próprio de cada pessoa.

E como surgem então os odores desagradáveis?

A transpiração é constituída também por hormonas, lípidos e proteínas, um material que já transitou parcialmente pelo sangue e que está relacionado com a nossa alimentação e que é posteriormente degradado pelas bactérias. Ora, tanto nas axilas como nas zonas adjacentes aos órgãos genitais, as bactérias encontram o ambiente propício ao seu desenvolvimento: calor, humidade e transpiração, bem como todos os nutrientes que são libertados pelas glândulas e de que elas se alimentam. Os odores decorrem da degradação dos nutrientes num espaço tão confinado.

Assim sendo, poder-se-ia imaginar que uma higiene irrepreensível bastaria para eliminar todos os odores.

Mas não: mesmo no caso de uma transpiração pouco abundante, nunca se está livre de uma emoção forte que faz disparar as glândulas sudoríparas.

Por isso, usar desodorizante é praticamente um dever social!

Em excesso

Já aqui se disse que a transpiração funciona como uma espécie de válvula de escape quando o nosso termómetro interno ultrapassa os 37ºC, refrigerando o organismo e devolvendo-lhe o equilíbrio térmico.

Porém, há situações de transpiração excessiva devido a uma hiperactividade das glândulas sudoríparas.

Trata-se da hiperidrose, uma doença ainda pouco diagnosticada mas que, segundo estimativas, afecta cerca de um por cento da população.

Não se tratando de uma doença grave, por não constituir risco de vida, é, todavia, um quadro extremamente desconfortável, causadora de profundo embaraço social e de transtornos no relacionamento do indivíduo com os outros e consigo próprio.

Frequentemente, as pessoas que transpiram em excesso (e com odor) acabam por se isolar. Porque não se trata apenas do suor libertado pelas axilas, mas também de sudorese excessiva na palma das mãos e na planta dos pés, podendo haver mesmo situações em que o suor pinga do rosto ou da testa. Actividades diárias simples, como um apertar de mãos, podem assim tornar-se motivos de constrangimento.

Na origem da hiperidrose podem estar outras doenças, nomeadamente hipertiroidismo, distúrbios psiquiátricos, menopausa ou obesidade.

No entanto, na maioria das vezes, os sintomas não têm uma causa conhecida, tanto podendo manifestar-se na infância como apenas na idade adulta, indiferentemente no sexo masculino e no feminino. Por vezes, existem antecedentes familiares.

Para estes casos, a higiene diária, por mais rigorosa que seja, pouco adianta e o simples uso de desodorizantes também não resolve o problema.

Há que recorrer a um endocrinologista, pois este é um distúrbio das glândulas. E quando o suor excessivo permanece, não obstante os tratamentos dermatológicos, pode ser necessário recorrer à cirurgia.

Chamada simpatectomia torácica, é feita sob anestesia geral e consiste em duas ou três incisões no tórax, geralmente por baixo das axilas, através das quais, e com a ajuda da vídeo-endoscopia, se identifica e destrói a região responsável pelo excesso de transpiração.

Para os doentes de hiperidrose, os benefícios desta técnica vão muito além da regulação do suor: passam pelo recuperar do bem-estar, da auto-estima e do convívio social. De facto, paga-se um preço muito alto por suar em excesso!

O uso do desodorizante

Em spray, stick, roll-on ou creme, há um desodorizante para cada tipo de transpiração. Em caso de transpiração moderada, podem ser usados desodorizantes na linha do perfume que se aplica diariamente. À base de agentes bactericidas e sais de alumínio, são eficazes na diminuição do odor da transpiração, ao mesmo tempo que reduzem o número de bactérias e as impedem de digerir o suor. Deixam uma fragrância envolvente e costumam ser eficazes por cinco a seis horas consecutivas.

Já para os casos de transpiração mais abundante, são preferíveis os antitranspirantes, que contêm ingredientes que actuam nos canais das glândulas, controlando a saída do suor. A sua acção mantém-se normalmente por 24 horas. Apesar de reduzirem a quantidade de suor, não interferem no processo de arrefecimento do corpo, na medida em que são aplicados nas axilas onde se concentra uma parte mínima das glândulas sudoríparas. No restante corpo continuam activas as glândulas responsáveis pela chamada perspiração, o processo de respiração contínuo (e invisível) do nosso organismo.

Para os pés, tal como para as axilas, pode ser necessário um antitranspirante que regule a humidade.

Devem ser evitados meias e calçado sintético e praticada uma higiene rigorosa que evite a proliferação de bactérias e fungos.
Fonte: medicosdeportugal.saude.sapo.pt

Comments

comments

Destaque

Após ter Instagram hackeado, Fani Pacheco sofre ameaças e se desespera

Published

on

By

Não está nada fácil para a ex-BBB Fani Pacheco, que teve sua conta oficial no Instagram hackeada recentemente. Bastante arrasada com a situação, a loira decidiu criar um perfil provisório na rede social e, através de um desabafo, revelou que está sendo chantageada por uma pessoa.

“Oi pessoal, eu vim aqui compartilhar com vocês meu Instagram provisório. Porque fui hackeada desde segunda passada, dia 11, e venho solicitando resposta ao Instagram e Facebook. Mas eles ignoram que fui hackeada. Eu descobri quem foi. A pessoa entrou em contato comigo, está me chantageando, pedindo dinheiro em troca do Instagram, sendo que não tenho nenhuma garantia de que ela vai devolver”, disse Fani, que revelou que ele está pedindo mil dólares pela conta.

“Eu entro contato com suporte e eles pedem para eu criar outra conta. Então, a minha conta, que demorei anos para construir, com minha história, com minha propriedade intelectual, meus textos, eles simplesmente ignoram. Eu marquei essa pessoa, eu tirei fotos da conta dessa pessoa e tenho provas de que ela está me chantageando. Eu vou na polícia abrir um boletim de ocorrência e vou tentar anexar no Instagram”, disse Fani, que tinha mais de 650 mil seguidores.

A ex-BBB postou imagens para denunciar a susposta extorsão:

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Ex-BBB, Aline Gotschalg, ostenta barriga sarada e dá o que falar na web

Published

on

By

A Ex-BBB, Aline Gotschalg, publicou em sua rede social, na manhã da última quinta-feira (14), uma foto de sua barriga saradíssima e deu o que falar na internet.

A cintura fina gerou diversos comentários a favor e em contra da ex-participante do reality show. “Ela foi uma das BBBs mais lindas, pena que pela edição era antipática”, comentou uma internauta. “Enquanto isso eu estou ostentando a minha fome. Ela é linda!”, brincou outra.

Outros clicks da ex-BBB

No inicio deste mês, Fernando Medeiros e Aline Gotschalg publicaram mais um clique ousado nas redes socais. Na foto, os dois aparecem abraçados deitados na cama e com emojis cobrindo as partes íntimas. “Boa noite”, escreveu ele na legenda.

No final do ano passado, os ex-BBBs terminaram o casamento e ficaram separados por 5 meses. Porém, recentemente os dois anunciaram a volta do casamento. Eles são pais de Lucca, de dois anos.

Confira:

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Musa Saudita alivia derrota de 5 para Rússia e ainda tem esperanças

Published

on

By

A advogada Ju Aysha é a representante da Arábia Saudita no concurso ‘Musa da Copa – O Original’. A gaúcha de Porto Alegre, que é realmente original, já que seus avós são árabes, ainda tem esperança que sua seleção possa se classificar. A esperança tem muito a ver com seu apelido, Aysha, que em árabe significa “estar viva”, “continuar viva”, “viver”, e assim ela acredita na seleção que representa, que ainda está viva!

O jogador de sua seleção, apontada por ela é Abdullah Al-Mayouf, o guarda-redes, a quem ela confia segurar ao máximo os resultados. 

“Começamos perdendo de 5×0 para os donos da casa, mas espero que a minha Seleção se recupere e consiga ainda se classificar, mesmo que seja em 2° lugar no grupo. E mesmo que seja segurando lá atrás”.

Perguntamos se caso sua seleção fosse campeã, se faria alguma loucura por ela, veja o que respondeu a saudita:

“Como é o país do petróleo, trabalharia como frentista em um posto de gasolina vestida com o uniforme da seleção, por 01 dia”.

Comments

comments

Clique para Ler

Advertisement

Facebook




Mais Acessados