Connect with us

Destaque

Suar não emagrece

Published

on

É frequente associar-se a transpiração com o emagrecimento, mas desiludam-se os que assim pensam e que recorrem ao exercício físico como forma de perderem água e assim perderem peso.

É verdade que o esforço físico nos faz suar, logo, perder água, mas esse défice deve ser prontamente restabelecido, ingerindo líquidos logo após o exercício físico. O processo de emagrecimento decorre, sim, do facto de o exercício físico implicar um gasto de energia. Daí muita gente sentir fome após uma sessão de ginástica ou de natação.

A transpiração é uma função essencial do nosso organismo, mas incomoda muito no Verão, sobretudo devido ao odor que se liberta. Pouca gente saberá, mas o suor excessivo pode ser uma doença, que causa embaraço social e transtornos psicológicos a quem dela sofre.

Na música, na literatura e na história, o suor é exaltado como símbolo de trabalho, de esforço, dedicação e sacrifício. Mas da teoria à realidade pode ir a distância de uma transpiração excessiva e de um odor desagradável que nos deixa de nariz torcido, ansiando por uma lufada de ar fresco.

É verdade que suar é preciso. É verdade que a transpiração é essencial para o nosso organismo, funcionando como uma espécie de ar condicionado extremamente sofisticado que regula a nossa temperatura interior. Quando o mercúrio sobe nos termómetros ou quando fazemos um esforço, este sistema reage para nos manter nos 37ºC. É ao nível do sistema nervoso autónomo simpático que são reguladas as glândulas sudoríparas, que cobrem 99% do nosso corpo e são capazes de produzir até dois litros de suor por hora, embora o normal sejam 100 ml por dia.

Existem dois tipos de glândulas sudoríparas: as écrinas e as apócrinas.

As primeiras localizam-se no colagénio sub-epidérmico, possuindo um canal que lhes permite libertar directamente para a superfícieas secreções que produzem.

Presentes em todo o corpo, à excepção das unhas, dos lábios e dos órgãos genitais, estas glândulas reagem sobretudo ao calor. Mas as quese situam nas palmas das mãos e dos pés, e que são as mais numerosas, respondem igualmente aos estímulos psíquicos. Delas liberta-se uma solução aquosa, com uma forte concentração de sal e de amoníaco e, portanto, incolor e inodora.

Não é, pois, destas glândulas a responsabilidade pelo odor desagradável associado ao excesso de transpiração.

A “culpa” é das glândulas apócrinas, que se concentram junto aos genitais e nas axilas e cujas secreções são libertadas através dos folículos pilosos. Assim se explica a sua localização e o facto de se tornarem activas na puberdade.

Ainda que menos importantes do que as écrinas, são estas glândulas que fornecem a cada um a sua individualidade olfactiva, ou seja, são elas que determinam o odor próprio de cada pessoa.

E como surgem então os odores desagradáveis?

A transpiração é constituída também por hormonas, lípidos e proteínas, um material que já transitou parcialmente pelo sangue e que está relacionado com a nossa alimentação e que é posteriormente degradado pelas bactérias. Ora, tanto nas axilas como nas zonas adjacentes aos órgãos genitais, as bactérias encontram o ambiente propício ao seu desenvolvimento: calor, humidade e transpiração, bem como todos os nutrientes que são libertados pelas glândulas e de que elas se alimentam. Os odores decorrem da degradação dos nutrientes num espaço tão confinado.

Assim sendo, poder-se-ia imaginar que uma higiene irrepreensível bastaria para eliminar todos os odores.

Mas não: mesmo no caso de uma transpiração pouco abundante, nunca se está livre de uma emoção forte que faz disparar as glândulas sudoríparas.

Por isso, usar desodorizante é praticamente um dever social!

Em excesso

Já aqui se disse que a transpiração funciona como uma espécie de válvula de escape quando o nosso termómetro interno ultrapassa os 37ºC, refrigerando o organismo e devolvendo-lhe o equilíbrio térmico.

Porém, há situações de transpiração excessiva devido a uma hiperactividade das glândulas sudoríparas.

Trata-se da hiperidrose, uma doença ainda pouco diagnosticada mas que, segundo estimativas, afecta cerca de um por cento da população.

Não se tratando de uma doença grave, por não constituir risco de vida, é, todavia, um quadro extremamente desconfortável, causadora de profundo embaraço social e de transtornos no relacionamento do indivíduo com os outros e consigo próprio.

Frequentemente, as pessoas que transpiram em excesso (e com odor) acabam por se isolar. Porque não se trata apenas do suor libertado pelas axilas, mas também de sudorese excessiva na palma das mãos e na planta dos pés, podendo haver mesmo situações em que o suor pinga do rosto ou da testa. Actividades diárias simples, como um apertar de mãos, podem assim tornar-se motivos de constrangimento.

Na origem da hiperidrose podem estar outras doenças, nomeadamente hipertiroidismo, distúrbios psiquiátricos, menopausa ou obesidade.

No entanto, na maioria das vezes, os sintomas não têm uma causa conhecida, tanto podendo manifestar-se na infância como apenas na idade adulta, indiferentemente no sexo masculino e no feminino. Por vezes, existem antecedentes familiares.

Para estes casos, a higiene diária, por mais rigorosa que seja, pouco adianta e o simples uso de desodorizantes também não resolve o problema.

Há que recorrer a um endocrinologista, pois este é um distúrbio das glândulas. E quando o suor excessivo permanece, não obstante os tratamentos dermatológicos, pode ser necessário recorrer à cirurgia.

Chamada simpatectomia torácica, é feita sob anestesia geral e consiste em duas ou três incisões no tórax, geralmente por baixo das axilas, através das quais, e com a ajuda da vídeo-endoscopia, se identifica e destrói a região responsável pelo excesso de transpiração.

Para os doentes de hiperidrose, os benefícios desta técnica vão muito além da regulação do suor: passam pelo recuperar do bem-estar, da auto-estima e do convívio social. De facto, paga-se um preço muito alto por suar em excesso!

O uso do desodorizante

Em spray, stick, roll-on ou creme, há um desodorizante para cada tipo de transpiração. Em caso de transpiração moderada, podem ser usados desodorizantes na linha do perfume que se aplica diariamente. À base de agentes bactericidas e sais de alumínio, são eficazes na diminuição do odor da transpiração, ao mesmo tempo que reduzem o número de bactérias e as impedem de digerir o suor. Deixam uma fragrância envolvente e costumam ser eficazes por cinco a seis horas consecutivas.

Já para os casos de transpiração mais abundante, são preferíveis os antitranspirantes, que contêm ingredientes que actuam nos canais das glândulas, controlando a saída do suor. A sua acção mantém-se normalmente por 24 horas. Apesar de reduzirem a quantidade de suor, não interferem no processo de arrefecimento do corpo, na medida em que são aplicados nas axilas onde se concentra uma parte mínima das glândulas sudoríparas. No restante corpo continuam activas as glândulas responsáveis pela chamada perspiração, o processo de respiração contínuo (e invisível) do nosso organismo.

Para os pés, tal como para as axilas, pode ser necessário um antitranspirante que regule a humidade.

Devem ser evitados meias e calçado sintético e praticada uma higiene rigorosa que evite a proliferação de bactérias e fungos.
Fonte: medicosdeportugal.saude.sapo.pt

Comments

comments

Academia

Diva Fitness dispara: “não é porque sou mãe que deixei de ser mulher”

Published

on

By

Gabi Lubies, Diva Fitness WBFF, fala sobre auto-estima, boa forma e beleza  após a maternidade, e afirma que não deixou de ser mulher porque tornou-se mãe

A mulher é sempre um símbolo da beleza, e tem de fato a sua auto-estima interior, que a faz cuidar de si, maquiar-se, e estar de bem com o corpo. Em sua maioria, as mulheres gostam de ser notadas e elogiadas, e isso as faz sentirem-se mais vivas, e mais de bem consigo mesmas. 

A Diva Fitness WBFF (World Beauty Fitness Fashion) Gabi Lubies acredita que mesmo após ter filhos, a mulher não precisa se anular, e pode sim cuidar de si: “Quando nasce uma criança, nasce uma mãe, mas não precisa morrer uma mulher. É comum que fiquemos nesse quadro de dedicação quase que exclusiva aos filhos durante muito tempo, e muitas vezes, acabamos esquecendo de nós mesmas e entrando no automático. Antes de sermos mãe, somos mulheres, e acho complicado e arriscado esquecer o que somos e até mesmo o que nos levou até ali”, comenta.

Gabi Lubies aponta que o instinto materno fala muito alto, acima dos interesses pessoais: “Estou pra ver a mulher que, consciente ou não, não tenha esquecido de si, ainda que só um pouquinho, depois da maternidade. Quando um bebê nasce, ficamos tão ligadas a ele que esquecemos de olhar para nós mesmas. No começo, acho até natural, afinal não sabemos como ser mãe e vamos aprendendo e vendo que somos capazes de criar e cuidar de uma criança dia após dia”. 

Para a Diva Fitness, cuidar de si não é sinônimo de ser uma mãe ruim: “respeito quem decide fazer isso, mas particularmente acho que existem outros caminhos e que não é isso que fará uma pessoa ser boa ou má mãe. Não posso jogar a culpa neles por eu ter que trabalhar pra sustentá-los, nem a responsabilidade por ter engordado pra gerá-los, nem a responsabilidade por não cuidar de mim, por não ir atrás dos meus sonhos, por não ter tempo, etc. Eu escolhi ser mãe, a responsabilidade é toda minha e não deles. Penso que quando cuido de mim, em especial da minha saúde, estou também, de algum modo, dando a eles a oportunidade de ter a mãe dos meus filhos na Terra por mais tempo”.

Gabi acredita que ser mãe só acrescenta à vida de uma mulher, e que forma física e estética são recuperáveis depois da gravidez, e que a mulher não precisa abdicar da auto-estima para ser mãe: “Sou exemplo vivo disso. Optei que seria mãe e que continuaria sendo uma mulher que buscaria a felicidade e realização pessoal, pois acredito que a maternidade não subtrai nada da mulher, ao contrário, ela soma. A maternidade não nos diminui, ela nos torna mais fortes, mais capazes. É só uma questão de canalizarmos todo esse potencial para sermos as mulheres que queremos ser”, conclui

Fotos de: Dan Galic / MF Press Global Por: Hebert Neri

Comments

comments

Clique para Ler

Destaque

Cátia Paganote deseja bom dia apenas de lingerie e mostra boa forma aos 42 anos

Published

on

By

Foto de ex-paquita da Xuxa recebeu milhares de curtidas e comentários de seguidores, elogiando a sua aparência. “Você não muda! Tá linda!”, escreveu uma fã.

Em março, além de comemorar a chegada dos 43 anos, Catia Paganote também lançará a sua autobiografia chamada de “A Minha Vida é um Xou”.

Visualizar esta foto no Instagram.

Bom dia… ??? @villadimanupousada @rafael_vega @cacauoliver #catiapaganote #miuxa #paquitas #paquita #catiapaganotebymiuxa #catiabymiuxa #bomdia

Uma publicação compartilhada por Catia Paganote (@catiapaganote) em

Comments

comments

Clique para Ler

Academia

Bella Falconi esclarece o que pode te impedir de emagrecer em 2019

Published

on

By

A nutricionista e influenciadora digital Bella Falconi aponta os principais inimigos de uma vida mais saudável e meios de seguir rumo a melhor saúde e forma física

Bella sempre compartilha dicas com seus seguidores e leitores do blog para ter uma vida melhor, com mais saúde e qualidade de vida. A influenciadora esta semana trouxe dicas de como alcançar os objetivos no fitness e evitar a auto-sabotagem

Em seu blog no UOL (bellafalconi.blogosfera.uol.com.br) ela falou sobre como, de fato a pressa pode ser “inimiga da perfeição”, como diria o dito popular: “O problema em nossa era é que as pessoas buscam resultados “a jato”. Querem construir músculos densos e hipertrofiados em apenas 3 meses, querem alcançar um dígito de percentual de gordura corporal em 40 dias, e para isso submetem-se a loucuras”.

A pressa em obter resultados pode ser ainda mais prejudicial do que outros fatores na obtenção de maior qualidade de vida: “existe algo que pode ser tão ou mais prejudicial do que o sedentarismo e os maus hábitos alimentares: a pressa”. Bella afirma que isto pode, na verdade, causar frustração e impedir as pessoas de alcançarem seus objetivos no fitness e de manter um estilo de vida e dieta sustentável.

Como conselho para começar o ano já cumprindo aquela promessa de ano novo de emagrecer, Bella afirma: “independente das suas resoluções pessoais para o novo ano, uma dieta saudável e equilibrada sempre irá trazer benefícios: menos sal, açúcares e gorduras, e mais produtos frescos, vegetais e integrais são a fórmula infalível para emagrecer em 2019 e melhorar a saúde geral. E isto sempre tenho dito”.

Fotos de:  ReproduçãoPor: Hebert Neri

Leia o artigo original no UOL em: bellafalconi.blogosfera.uol.com.br

Comments

comments

Clique para Ler
Advertisement

Facebook




Mais Acessados