Alimentação e Nutrição

Whey, creatina, carbo: novos conceitos em nutrição esportiva derrubam mitos

Fisiologista comenta novidades apresentadas em congresso nos EUA sobre temas polêmicos na área da nutrição e dos suplementos nutricionais. 

No penúltimo final de semana, aconteceu na cidade de Phoenix, Arizona, nos Estados Unidos, o 14° Encontro Anual da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva (Internacional Society of Sports Nutrition- ISSN) e nossa equipe foi representada pela Dra. Gerseli Angeli. Durante o evento foram abordados os temas mais atuais e também polêmicos na área da nutrição e dos suplementos nutricionais. Dentre os principais assuntos, cabe destacar alguns:

– Creatina: 
Estudos científicos muito consistentes comprovam que a creatina, além de ser extremamente segura, traz inúmeros benefícios, não só para os praticantes de atividades físicas que buscam o fortalecimento muscular e a performance, mas também para aqueles que desejam combater o envelhecimento.

O consumo de creatina apresenta um efeito anticatabólico sobre os músculos e ossos, ou seja, ajuda a combater a perda de massa óssea (osteopenia e osteoporose) e de massa muscular (sarcopenia- inerente ao processo de envelhecimento), daí seu crescente uso pela medicina antiaging.

– Whey Protein:
Os inúmeros estudos apresentados no congresso da ISSN confirmam as informações que já vêm sendo difundidas pelo American College of Sports Medicine (ACSM) e derrubam o mito de que dietas ricas em proteínas podem prejudicar os rins e fígado. Este é um conceito que precisa ser definitivamente aceito pelos profissionais das ciências do esporte.

Um estudo avaliando o consumo de uma dieta contendo 3g/kg de peso de proteína por dia, durante o período um ano, demonstrou não provocar qualquer tipo de alteração nas funções hepática e renal, nem alterações nos níveis de colesterol e triglicérides.

Por outro lado, o maior consumo de proteínas contribuiu para a perda de gordura corporal e aparentemente para melhora da massa óssea. Estudos apontam ainda que a distribuição do consumo de proteína ao longo do dia, aproximadamente 20g por dose, e a associação desse consumo à prática de exercícios, apresenta uma interação muito positiva para a saúde, contribuindo para o ganho de massa muscular e protegendo contra a perda de massa magra tão comum em processos de emagrecimento e inerente ao processo de envelhecimento.

– Carboidrato:
Pesquisas avaliando o efeito de dietas com baixo consumo de carboidratos, especialmente a dieta cetogênica, também foram apresentados, e o que se pôde observar até o momento é que dietas com baixo consumo de carboidratos não são ideais para praticantes de atividades físicas e atletas, uma vez que o carboidrato é um nutriente fundamental para esses indivíduos.

Sabemos que estas informações recentes vão provocar polêmicas, porém cada vez mais precisamos enfatizar que os conceitos com fundamento científico precisam derrubar os mitos criados por informações erradas.

Referência: www.sportsnutritionsociety.org

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do site

por: Turíbio Barros,

Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela EPM. Membro do conselho científico da Midway Labs, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva da Unifesp e fisiologista do São Paulo FC e coordenador do Departamento de Fisiologia do E.C. Pinheiros. Membro do American College of Sports Medicine. www.drturibio.com

Comments

comments

To Top