Connect with us

Alimentação e Nutrição

O que comer após o período de jejum no JEJUM INTERMITENTE?

Published

on

Muito se ouve falar atualmente sobre o termo Jejum Intermitente. Agora você vai saber tudo sobre ele, o queridinho das famosas (a dieta da Deborah Secco), vai saber como funciona o jejum intermitente, que promete emagrecer de forma rápida e segura, apenas regulando o horário e a quantidade das refeições. Será que o jejum intermitente emagrece realmente?

O que é Jejum Intermitente?

No mundo fitness, nas revistas sobre saúde e beleza, nos sites de dietas, em todos os cantos pode-se observar o aparecimento dessa nova “técnica” de emagrecimento. Jejum Intermitente, nada mais é que: comer quando se está com fome.

Todos sabem como é a rotina de alguém que quer seguir uma dieta saudável, balanceada e trabalha, por exemplo. É aquela dor de cabeça, na noite anterior prepara-se marmitinhas para o dia todo. Café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, café da tarde, jantar, ceia, e olhe lá se não tiver mais alguma refeição. O Jejum Intermitente promete mudar esse problema, pois consiste em fazer refeições mais balanceadas, menos vezes por dia.

Para aderir ao JI, você deve antes adequar a sua dieta. E a dieta ideal para isso deve ter como base verduras, legumes, carnes e ovos. Para melhores resultados, é interessante diminuir muito a quantidade de carboidratos, e se preciso, aumentar a quantidade de gorduras boas.
Como a Alimentação Paleo já diz: não tenha medo das gorduras naturais. Mas isso não significa forçar o consumo das mesmas, e sim, utilizar as gorduras dos alimentos sem medo.
Para você entender melhor, quando ingerimos acima de certas quantidades de carboidratos, o organismo aumenta a produção de insulina, o que reduz a taxa de glicose no sangue. Quando isso ocorre, logo vem a fome outra vez. Você nunca percebeu, que após comer uma pratada de macarrão, ou um pão com alguma coisa, logo a fome apareceu novamente?

Experimente, por um dia, trocar refeições normais (arroz, macarrão, pães) por refeições sem carboidratos (alguns legumes, verduras, carne, frango, ovo). Você vai perceber que esse tipo de alimentação sustenta muito mais, além de ser muito mais saudável.

Dieta do Jejum Intermitente

Para seguir esta dieta é bem fácil (teoricamente). Você precisa adaptar o seu corpo a ingerir menos carboidratos, portanto, antes de começar o jejum, resolva esse quesito na sua alimentação diária. Quando você fizer isso, perceberá que a fome vai diminuir, junto com ela, a necessidade de 6, 7 ou 8 refeições diárias.
O segundo passo é esquecer açúcar, acostume-se ao cafézinho, chá, sucos, e outras bebidas sem ele. De preferência puros. Por mais que pareça impossível e desumano tomar um café sem açúcar, é uma questão totalmente de costume. Na pior das hipóteses, utilize algumas gotas de adoçante.
Depois do corpo acostumar a ficar sem glicose, proveniente da alimentação, à disposição (produto da quebra dos carboidratos no organismo), os baixos níveis de insulina irão fazer com que a vontade de comer fique cada vez mais reduzida. Agora é a hora de iniciar o jejum com tranquilidade, pois seu corpo já está se utilizando da quebra de gordura de reserva para gerar energia.

Como fazer Jejum Intermitente Passo a Passo

O método mais comum, é fazer Jejum diariamente, por 16 horas, ficando as outras 8 horas livres para alimentação. Uma ideia seria almoçar e jantar dentro dessas 8 horas, e o restante do tempo jejuar.

Eu, pessoalmente, creio que com o tempo não há a menor necessidade de criar um mecanismo para que você cumpra a dieta. Coma quando tiver fome dentro dessas 8 horas, quando o organismo se acostumar, ficará em piloto automático e você nem vai se lembrar que está jejuando.

Os métodos de Jejum intermitente mais conhecidos são:

  • Jejum de 16 horas
    Como foi dito, é o mais comum, consiste em comer em uma janela de 8 horas por dia, e não comer nas outras 16 horas. Para facilitar, vou dar um exemplo:
    Se você dorme das 23h as 7h, já são 8 horas de jejum. Basta adicionar 4 horas antes de dormir e 4 horas depois de acordar em jejum. Ou seja, acordar as 7h, almoçar depois das 11h e jantar antes das 19h;
  • Jejum de 24 horas
    Consiste em fazer 24 horas de jejum, duas vezes na semana. Exemplo: Se você jantar hoje as 20h, fique até amanhã as 20h sem comer nada. Repita outra vez na semana;
  • Jejum de 36 horas
    Este tipo de jejum, não é recomendado para qualquer um. Todos devem ser acompanhados por um profissional, mas esse mais ainda. Em alguns casos, as pessoas necessitam usufruir melhor e por mais tempo do JI, portanto é aqui que o Jejum de 36 horas se encaixa;
  • Dieta 5:2
    Consiste em comer 2 dias na semana, apenas 500-600 calorias por dia. Nos outros dias a alimentação é normal (saudável e bem estruturada);
  • Dieta do Guerreiro
    Esta dieta consiste em comer durante o dia apenas vegetais (em alguns casos adiciona-se fruta) e durante a noite fazer uma refeição normal. Nessa dieta, a alimentação provem de “comida de verdade” (assim como a paleolítica), onde tudo que se come deve ser natural, o mínimo industrializado possível.

Jejum intermitente emagrece?

Como você pode ver, existem inúmeras maneiras de fazer JI, além do que, esses citados são apenas os mais conhecidos. Pode ser que um profissional te oriente a fazer de outra forma , já que essas questões variam de pessoa para pessoa.

O jejum intermitente, assim como qualquer mudança brusca na alimentação, necessita do acompanhamento de um profissional.

E eu gostaria de lembrar que para perder peso, você só precisa de uma coisa: ingerir menos calorias do que gasta. Isso é difícil mensurar, pois, para viver, para andar, para correr, para dormir, para tudo, nós gastamos calorias. Inclusive, hoje em dia as dietas atuais nem contam mais calorias. O que eu quero dizer é que não adianta fazer horas e mais horas, ou mesmo dias de jejum intermitente, e comer o que quiser, demasiadamente e sem qualidade nas janelas. Coma corretamente assim como em qualquer outra dieta.

Jejum intermitente e hipertrofia

A principio, nos primeiros dias de jejum, não é recomendado treinar depois de muito tempo sem comer, sob o risco de sentir náuseas, fortes dores de cabeça e tontura. Após esse período de adaptação, muitos praticantes já relataram total tranquilidade para fazer o treino, dentro da janela ou não. Pode ser que seja questão de costume, pode ser que algumas pessoas não se adaptem. Alguns médicos, nutricionistas e educadores físicos tem defendido e estudado os treinos durante jejum. De qualquer forma, para nós, “meros mortais”, que treinamos apenas em busca de um corpo bacana, definição leve e saúde, e não profissionalmente, o ideal é tentar treinar sempre durante as janelas de alimentação. Vamos falar mais sobre isso logo a seguir.

Quais são os benefícios do JI?

O Jejum intermitente tem incontáveis benefícios, listados abaixo, estão alguns deles:

  • reduz a depressão;
  • aumenta a concentração;
  • diminui a ansiedade;
  • acelera o metabolismo;
  • ajuda a regular a pressão;
  • auxilia no emagrecimento
  • propicia uma melhora hormonal;
  • facilita o preparo da comida;
  • para quem trabalha, são menos potinhos na mochila;
  • menos fome, mais saciedade;
  • aumenta os níveis de hormônio do crescimento;
  • melhora a reparação celular;
  • reduz a resistência a insulina;
  • reduz inflamações;
  • previne certos tipos de câncer;
  • reduz o colesterol ruim;
  • pode prevenir o Mal de Alzheimer;

Quais são as contra indicações do JI?

Antes de mais nada, as mulheres devem ter mais cautela ao fazer o Jejum. Alguns estudos mostraram que algumas mulheres podem piorar o nível de glicose fazendo JI. Por isso é importante o acompanhamento profissional, e o principal, o teste. Se não estiver servindo para você, não faça. Simples assim.
Crianças, adolescentes, mulheres grávidas, diabéticos e idosos não devem fazer jejum intermitente em hipótese alguma.

Qualquer dúvida consulte um especialista.

Saiba antes de fazer o Jejum Intermitente:

Água e outros líquidos – O que pode beber no jejum: são liberados água, café sem açucar, chá sem açucar, e somente em casos extremos de fome ou fraqueza, suco de fruta puro.

Ou seja, para tirar uma das grandes dúvidas que o pessoal pergunta: pode tomar e beber água no jejum intermitente sem problema algum! 

Suplementação:  polivitamínicos, creatinas, minerais, aminoácidos como BCAA’s, podem ser consumidos durante o Jejum intermitente. Não é apropriado tomar whey, albumina, e outros suplementos calóricos, pois assim você estará saindo do jejum.

Quer um aliado na dieta? Conhece os melhores termogênicos naturais do mercado?

Atualmente o mercado de suplementação é muito amplo e completo. Porém, você deve tomar muito cuidado com produtos que custam muito mais do que valem, e principalmente com produtos cheios de químicas. Muita gente nos manda e-mail e comentário perguntando sobre termogênicos, então nós estamos fazendo algumas postagens sobre os mais conhecidos do mercado, talvez você possa se interessar:

 

Massa Muscular: algumas pessoas pensam que fazendo JI, perderão massa muscular. Assim como na alimentação normal, vai depender da quantidade e qualidade da comida ingerida. Quem treina e busca hipertrofia deve ter em mente que a alimentação durante as janelas devem suprir todas as necessidades para o aumento de massa magra. Se tudo estiver nos conformes, nenhuma grama de massa será perdida, possivelmente ocorrerá um aumento dela.


Café da manhã: 
quem faz o JI de 16/8 costuma tomar café puro ou com adoçante de manhã para tirar uma possível fome matinal. Caso a fome seja muito grande (não passe fome, em hipótese alguma isso faz bem), coma uma fruta. Nos primeiros dias é comum sentir fome de manhã, principalmente quem ainda não está acostumado com a dieta.

Exercícios e treinos: 
procure treinar dentro do horário de alimentação, se não for possível e você for obrigado a treinar em jejum, tome BCAA’s no pré treino. Lembre-se de fazer uma refeição caprichada no pós treino, caso busque hipertrofia. Há controvérsias sobre treinos e aeróbicos em jejum, portanto, se sentir qualquer desconforto suspenda a atividade.

Dicas Finais: o Jejum Intermitente, é uma mudança brusca e significativa na sua alimentação. Para evitar possíveis desconfortos, danos a saúde, e outros problemas, tenha em mente que você deve ter uma alimentação saudável. Não adianta fazer JI e quando for comer, se entupir de porcarias.

Este artigo é meramente informativo. Antes de começar, procure acompanhamento profissional. 

Comments

comments

Alimentação e Nutrição

Dani Albuquerque revela planta para vagina ‘ficar fechadinha’

Published

on

By

Daniela Albuquerque deu uma dica valiosa para as mulheres que querem ir além dos cuidados básicos com a região íntima. Durante entrevista que comandava no “Sensacional”, da RedeTV!, da última quinta-feira, 25, com Jackson Antunes, a apresentadora perguntou ao ator sobre barbatimão, planta medicinal que tem vários usos, e revelou como fazia uso da erva.

“Barbatimão eu já usei para outra coisa. Para a mulher, fazia [banho de] assento, botava um pouco lá [na vagina] para ficar mais fechadinha”, revelou ela, que caiu na gargalhada.

Em outro momento divertido do bate-papo, Dani quis confirmar se Jackson Antunes já tinha arrancado dois dentes com alicate, e se empolgou contando sobre seu passado.

“Eu tive umas duas vezes dor de dente. Vim de uma família super simples, não tinha dinheiro para ir ao dentista, arranquei todos os meus dentes, mas não com alicate, arranquei com linha de costura os dentes de leite. Eu já botei cachaça quando tinha dor de dente, dá muito certo”, recordou.

Esta não é a primeira vez que Albuquerque faz revelações inusitadas sobre o seu passado. Enquanto entrevistava Léo Dias, há pouco mais de um mês, a famosa revelou já ter comido galinha da encruzilhada, acredita?!

CUIDADOS

Pegando carona na declaração de Dani Albuquerque, a Catraca Livre traz 6 regras para você manter a saúde da sua vagina.

1. Proteja o pH da vagina

Normalmente, o pH vaginal é de cerca de 3,8 a 4,5, mas usar ducha higiênica para higienizá-la pode interferir nos níveis de pH da região, reduzindo a acidez e perturbando um bioma vaginal saudável – a composição bacteriana da sua vagina – e preparando o terreno para infecções bacterianas.

Se a sua vagina tiver um odor forte ou desagradável, consulte o seu médico; uma ducha só encobrirá o cheiro sem curar o problema que está causando isso. Evite usar sabonetes na vulva ou no interior da vagina, pois eles também podem afetar um equilíbrio saudável do pH.

2. Mantenha uma dieta saudável para a saúde vaginal

Você pode não perceber, mas seguir uma dieta balanceada e nutritiva e beber muitos líquidos são essenciais para a saúde vaginal e reprodutiva. De fato, certos alimentos podem ser eficazes no tratamento de problemas de saúde vaginal. Iogurte, por exemplo, pode ajudar a prevenir infecções fúngicas, pois é rico em probióticos, especialmente o iogurte grego simples, por isso, se uma mulher é propensa a infecções fúngicas, tomar um probiótico rico em bactérias Lactobacillus, ou tomar iogurte grego todos os dias pode ser útil .

3. Pratique sexo seguro 

O uso de preservativos – do tipo masculino ou feminino – durante o sexo ajuda a proteger contra infecções sexualmente transmissíveis (DSTs), como HIV, herpes genital, sífilis, gonorréia, verrugas genitais e clamídia. Alguns deles, como o HIV e o herpes genital, não têm cura. E outros, como o papilomavírus humano (HPV), que causa verrugas genitais, são conhecidos por causar câncer.

Uma orientação importante que talvez nem todas as mulheres saibam é preciso trocar o preservativo quando mudar de sexo oral ou anal para o sexo vaginal, por exemplo. O cuidado evitar a introdução de bactérias nocivas na vagina. Também deve-se evitar o compartilhamento de brinquedos sexuais com o parceiro, a fim de se evitar DSTs.

4. Visite o ginecologista sempre que perceber alguma anormalidade

Ter exames ginecológicos regulares é crucial para manter a saúde vaginal. No Brasil, o Ministério da Saúde sugere que o papanicolau seja repetido um ano depois do primeiro exame e, se os resultados forem normais, o intervalo deverá passar a ser de 3 anos.

5. Trate as infecções assim que elas aparecerem

A região da vagina é bastante propensa a infecções, irritações e alergias. Com uma pele mais fina e sensível, em uma área abafada e muito próxima ao canal anal e da uretra, acaba ficando suscetível a fatores internos e externos.

Três tipos de infecções vaginais são comuns: infecção por fungos, vaginose bacteriana e tricomoníase. Se os sintomas não desaparecerem, então, é preciso passar pelo médico.

6. Escolha roupas com cuidado 

Certos tipos de tecidos e roupas justas criam condições quentes e úmidas nas quais a levedura se desenvolve. Dê preferência a calcinhas de algodão respirável e evite ficar muito tempo com o biquíni molhado ou roupas de academia suadas.

Outra dica é levar sempre uma ou duas calcinhas com você para trocá-las no trabalho ou na escola, caso seu corrimento seja intenso durante o dia. Isso ajudará você a se sentir mais confortável e a evitar infecções. E sempre que possível, tente dormir sem calcinha para deixar a vagina “respirar”.

Confira outras dicas importantes de cuidados para a higiene íntima feminina:

– Higiene íntima não quer dizer higiene interna. A limpeza deve concentrar-se na região da vulva, sem ser direcionada para região interna da vagina.

– Utilize o papel higiênico sempre no sentido da vagina em direção ao ânus para que não haja a contaminação com as bactérias provenientes do intestino.

– Durante a menstruação, o intervalo entre as trocas de absorventes não deve exceder quatro horas durante o dia.

– Lenços umedecidos, perfumes íntimos, absorventes perfumados e talcos podem provocar irritações, secura, ardências ou reações de hipersensibilidade.

– Não use duchas ou cotonetes na limpeza da região.

– Para quem usa lubrificante na região, opte pelos produtos feitos à base de água.

Comments

comments

Clique para Ler

Alimentação e Nutrição

A Dieta do Ovo Cozido para Emagrecer

Published

on

By

Não são poucas as dietas que prometem uma perda de peso rápida e milagrosa. Tem aquela que restringe os carboidratos, outra que só permite proteínas, e até uma que só permite frutas. O que quase todas elas têm em comum é que são altamente restritivas e falham em promover a reeducação alimentar.

Ao eliminar um grupo alimentar inteiro (como é o caso das dietas sem gordura, ou então das dietas low carb, que praticamente proíbem o consumo de alimentos ricos em carboidratos), essas dietas podem causar deficiências nutricionais e inevitavelmente acabam levando ao indesejado efeito sanfona. Ou seja, muitas dessas dietas milagrosas até emagrecem, mas a probabilidade de voltar a engordar tudo de novo é bastante alta, já que não houve uma alteração nos hábitos alimentares, mas somente a exclusão de determinados alimentos.

Nesse cenário, a dieta do ovo cozido parece ser uma opção um pouco mais razoável, já que não exclui nenhum grupo alimentar ou sugere um consumo muito baixo de calorias. É importante entender como funciona a dieta do ovo cozido para emagrecer, o cardápio e dicas para não voltar a engordar novamente com o efeito sanfona.

O que é a Dieta do Ovo Cozido?

Esta dieta consiste em consumir um ovo poché ou cozido antes das três principais refeições diárias – café da manhã, almoço e jantar. O viés da dieta do ovo cozido para emagrecer é aumentar a saciedade com o ovo e reduzir o consumo de calorias durante a refeição seguinte.

Tudo isso, é claro, em conjunto com uma dieta levemente hipocalórica – ou seja, que contém menos calorias do que seu metabolismo necessita para realizar suas atividades diárias. Isso significa que a dieta do ovo cozido é um plano alimentar com restrição de calorias, que utiliza o maior poder de saciedade das proteínas para provocar uma perda de peso sem que você precise passar fome como em outras dietas altamente restritivas.

Como funciona a dieta do ovo cozido para emagrecer?

Por que incluir três ovos na dieta? O ovo emagrece? Existem, na verdade, várias razões pelas quais consumir ovos cozidos antes da refeição pode ser uma boa ideia para quem está tentando emagrecer. Veja por quê:

1. O ovo traz saciedade

O ovo é rico em proteínas e gorduras – são cerca de 6g de cada por unidade – dois nutrientes que possuem digestão mais lenta que os carboidratos e que portanto trazem mais saciedade. Para serem quebradas em aminoácidos, as proteínas do ovo exigem um grande gasto energético por parte do organismo, que se vê obrigado a retirar energia de suas reservas para auxiliar a digestão.

Ou seja, consumir um alimento rico em proteínas e sem carboidratos como o ovo acelera o metabolismo e causa uma mobilização dos estoques de gordura – sobretudo a abdominal, levando a um aumento da lipólise (queima de gordura) para auxiliar na digestão. Portanto, podemos dizer que o ovo cozido queima gorduras (na ausência de carboidratos).

Consumir um ovo inteiro antes de cada refeição fará com que você se sinta saciado com uma quantidade menor de alimentos na próxima refeição, facilitando a manutenção da dieta hipocalórica.

E essa afirmação tem comprovação científica. Em um estudo realizado pelo Rochester Center, nos Estados Unidos, pesquisadores constataram que o consumo de ovos no café-da-manhã pode diminuir o consumo de calorias ao longo do dia – podem ser até 400 calorias a menos em um período de 24 horas.

No estudo, 30 mulheres com sobrepeso ou obesas receberam um café da manhã que continha ou dois ovos ou um bagel (um tipo de pão em formato de anel) com um complemento, sendo que as duas opções tinham a mesma quantidade de calorias e proteínas.

Após acompanhar os hábitos alimentares das participantes do estudo ao longo do dia, os pesquisadores puderam notar que aquelas que haviam consumido os ovos no café da manhã sentiram menos fome antes do almoço, e como resultado acabaram consumindo menos calorias durante a refeição. E não foi só isso: durante as 36 horas seguintes, o grupo que comeu ovos consumiu, em média, 417 calorias a menos do que aquele que recebeu o bagel na primeira refeição do dia.

Vale lembrar que, para que você obtenha um resultado semelhante, sua dieta deverá ser hipocalórica.

2. O ovo é fonte de vitamina B12

A vitamina B12 ajuda a emagrecer de maneira indireta. Isso porque ela ajuda a metabolizar as proteínas e gorduras, produzindo energia que torna o organismo mais ativo durante o dia. Isso significa que a vitamina B12 estimula o metabolismo e pode auxiliar na redução das reservas de gordura do corpo.

Além disso, a vitamina B12 presente no ovo o deixará com mais energia e disposição para se exercitar, o que também poderá auxiliar no emagrecimento.

3. O ovo é fonte de triptofano

O ovo é uma das melhores fontes de triptofano, um aminoácido que estimula a produção de serotonina (um tipo de neurotransmissor) no cérebro. Entre outras funções, a serotonina pode controlar o apetite e diminuir a compulsão alimentar, além de também diminuir a ansiedade e o estresse.

Níveis adequados de triptofano no organismo podem diminuir a vontade de comer doces e facilitar o processo de emagrecimento através de uma diminuição da fome hedônica – ou seja, aquela fome que aparece mesmo quando o corpo não está com deficiência energética.

4. Comer ovos não causa picos de glicose

Essa é uma propriedade do ovo bastante interessante, sobretudo pela manhã. Ao acordarmos, nossa glicose está lá embaixo (afinal, ficamos pelo menos 8 horas em jejum) e tudo que nosso corpo precisa é de uma fonte de carboidratos para restabelecer suas taxas normais de açúcar no sangue.

Acontece que, se você consome um carboidrato logo ao acordar e sem uma fonte de proteína em conjunto, seus níveis de glicose vão lá para cima de maneira muito rápida, o que obriga o organismo a liberar uma grande quantidade de insulina para jogar essa glicose para dentro das células. E adivinha o que acontece quando toda a glicose vai para dentro das células? Isso mesmo, seus níveis de açúcar vão lá para baixo de novo, no que é conhecido como o famoso pico de glicose.

Quando isso acontece, seu cérebro envia um sinal para você se alimentar novamente, o que significa sentir fome logo após ter acabado de comer uma fatia de pão com geleia. E a má notícia é que isso ocorre ao longo do dia também, pois quando ficamos sem nos alimentar por muitas horas as taxas de glicose caem drasticamente.

Como possui digestão lenta e não contém carboidratos, o ovo não causa grandes oscilações na glicose sanguínea, o que o ajudará a controlar o apetite na primeira refeição do dia. Consumir um ovo antes da refeição principal poderá ajudá-lo a estabilizar a glicose sanguínea sem precisar sofrer com alterações bruscas de apetite logo em seguida.

5. Ovos favorecem a síntese de adiponectina

O consumo de ovos pode aumentar a produção de adiponectina, um hormônio que acelera o metabolismo, aumenta a queima de gordura, melhora a sensibilidade à insulina e diminui o apetite.

Ovo Emagrece

Para quem ainda não está convencido dos benefícios do ovo para a perda de peso, o vídeo abaixo pode ajudar a esclarecer um pouco mais o assunto:

Mas o ovo não aumenta o colesterol?

O ovo é sem sombra de dúvidas o alimento mais controverso em nossa alimentação; em um dia é o melhor alimento do mundo, no outro não se deve nem olhar para ele. Felizmente, no entanto, grande parte das pesquisas realizadas nos últimos anos tem não somente absolvido o ovo como até recomendado o seu consumo. Por isso, parece uma boa ideia adotar a dieta do ovo cozido para emagrecer.

Para uma boa parcela dos profissionais da área médica, o consumo de até 3 ovos durante a semana não aumenta o colesterol e ainda pode ser benéfico para a saúde. Isso porque, como já vimos, o ovo é fonte de uma série de nutrientes importantes para a saúde, sendo considerado inclusive um dos alimentos mais completos do mundo.

Além disso, os cientistas têm comprovado que o consumo de colesterol na dieta não necessariamente aumenta os níveis de colesterol na circulação sanguínea. A justificativa seria que o fígado já produz, todos os dias, uma grande quantidade de colesterol. Assim, quando consumimos ovos na dieta, o fígado tende a produzir menos colesterol, mantendo estáveis as taxas de colesterol total na circulação.

Pesquisas sugerem que, para 70% dos indivíduos, o ovo não tem efeito sobre o colesterol, enquanto para as demais 30% o consumo de ovos pode elevar levemente as taxas de LDL (o colesterol ruim).

Algumas pessoas, no entanto, apresentam hipercolesterolemia familiar, uma condição hereditária que se caracteriza por taxas elevadas de LDL no sangue, independentemente do consumo de colesterol na dieta. Para quem apresenta a condição, o consumo de ovos (as claras costumam ser permitidas) deve ser evitado, sob o risco de elevar ainda mais as taxas de colesterol total.

Cardápio da dieta do ovo cozido para emagrecer

Não existe um cardápio especifico para fazer a dieta do ovo cozido para emagrecer, uma vez que o objetivo é combinar o ovo com uma dieta hipocalórica, e não com determinados alimentos pré-selecionados.

Assim, o que temos abaixo é uma sugestão de um cardápio com poucas calorias e que inclui um ovo cozido (ou poché) antes de cada refeição principal. E sim, você deverá comer o ovo antes de fazer a refeição principal.

Café da manhã:

1 ovo cozido +

  • Opção 1: 1 xícara de café com leite desnatado + 2 torradas integrais + ½ mamão papaia;
  • Opção 2: 2 torradas integrais + 1 pote de iogurte desnatado + ½ manga;
  • Opção 3: 1 banana + 2 colheres de granola light + 1 xícara de café com leite desnatado.

Lanche da Manhã:

Escolha somente uma das alternativas:

  • Opção 1: 1 pote de iogurte desnatado;
  • Opção 2: 1 maçã;
  • Opção 3: 4 morangos.

Almoço:

1 ovo cozido +

  • Opção 1: 1 filé de frango grelhado + ½ xícara de repolho cozido + salada verde;
  • Opção 2: 1 bife médio grelhado + ½ concha de feijão + salada com alface, pepino e couve;
  • Opção 3: Salada com alface + 1 fatia de queijo branco em cubos + 4 tomates cerejas picados + 2 fatias de peito de peru;
  • Opção 4: Sanduíche com duas fatias de pão integral + 2 folhas de alface + 2 colheres de atum em água + 1 rodela de tomate + 1 colher de creme de ricota light.

Lanche da Tarde:

  • Opção 1: 1 pera + 1 copo com água;
  • Opção 2: 1 maçã + 1 copo com água;
  • Opção 3: 2 castanhas + 1 goiaba.

Jantar:

1 ovo cozido +

  • Opção 1: Salada de rúcula, tomate cereja e alface + 1 fatia de queijo branco;
  • Opção 2: 1 filé de peixe (magro) grelhado + 1 batata pequena cozida + 4 tomates cerejas;
  • Opção 3: 1 filé frango + 2 colheres de arroz integral + salada verde.

Dicas

Confira algumas dicas para obter sucesso com a dieta do ovo cozido para emagrecer:

  1. Prefira ovos caipiras e orgânicos;
  2. Tente comer o ovo sem sal, já que o sódio aumenta a retenção de líquidos e irá deixar você inchado;
  3. Não frite ou acrescente gordura aos ovos. Para aumentar a saciedade, o ovo deverá estar cozido e, no máximo, acompanhado de um tempero natural, como orégano ou salsinha;
  4. Um ovo contém, aproximadamente, 70 calorias, o que dará um total de 180 calorias (para três ovos) para serem inclusas na sua soma diária;
  5. Não faça a dieta por mais de uma semana, já que a quantidade de ovos é muito grande e pode causar problemas aos rins;
  6. Continuar com sua alimentação normal e simplesmente acrescentar um ovo não irá fazer você perder peso; pelo contrário, você poderá até engordar caso opte por simplesmente adicionar três ovos à dieta sem fazer alterações nos hábitos alimentares;
  7. Beba muita água, tanto para facilitar a eliminação de toxinas e diminuir o inchaço como para proteger os rins, que poderão ficar sobrecarregados ao processar a grande quantidade de proteínas dos ovos;
  8. Não faça essa dieta se você tiver histórico de problemas renais ou níveis elevados de LDL (colesterol ruim);
  9. Resista à tentação e não faça omelete, ovo mexido ou ovo frito. Limite-se ao ovo cozido, para prolongar a digestão e aumentar a saciedade sem exagerar nas calorias;
  10. O cardápio acima é somente uma sugestão, já que a recomendação é que você procure um nutricionista para que ele o oriente com uma dieta que atenda suas necessidades específicas.

E, por último, lembre-se de que não existe dieta milagrosa, e somente a reeducação alimentar e a prática diária de atividade física podem fazer alterações significativas e permanentes no seu peso.

Vídeo:

E ai, gostou das dicas?


Comments

comments

Clique para Ler

Alimentação e Nutrição

Musa fitness vegana fala de desafios de criar filhos com hábitos saudáveis

Published

on

By

Musa revela ainda que sofre bullying por parte das outras mães. “Às vezes me sinto julgada por não ter os mesmos hábitos que elas,  é desconfortável”.

Quem é vegetariano nem sempre consegue fazer com que a família siga o seu estilo de vida ou se alimente das mesmas coisas, sem origem animal. Esse é um dos maiores desafios que a musa fitness vegana, Nathy Kihara, enfrenta para educar o seu filho. “Apesar da minha concepção sobre não comer carne, não imponho regras para ele ou qualquer um que esteja na minha família”, fala Nathy.


Ela revela que seria mais fácil, claro, se todos seguissem a sua dieta, e dessa forma, não teria com o que se preocupar nos horários de refeições. “Fazer compras no supermercado é uma loucura, pois querendo ou não, tenho que agradar todos os gostos, inclusive do meu filho”. O Luca Casiraghi tem 7 anos e está sempre junto com a mãe durante as viagens de trabalho, para ensaios fotográficos e campanhas para marcas. Juntos, já conheceram mais de 20 países.
Fotos: Emanuele Jeane | CO Assessoria

Comments

comments

Clique para Ler
Advertisement

Facebook




Mais Acessados